Rubens Chiri/ São Paulo/ 25-1-2019
Rubens Chiri/ São Paulo/ 25-1-2019

São Paulo se resguarda contra assédio a elenco campeão da Copinha

Clube já vem renovando contratos com suas promessas desde o ano passado para evitar novo caso Militão

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

30 Janeiro 2019 | 04h30

O São Paulo mal ergueu o troféu da Copa São Paulo de Futebol Júnior, após derrotar o Vasco na final da última sexta-feira (25), e já vê times de dentro e fora do país demonstrarem interesse em alguns dos jogadores campeões. A maneira de se resguardar contra o assédio é estendendo os vínculos com esses atletas. Assim, se a saída for inevitável, ao menos ela vale a pena financeiramente.

Na segunda-feira, por exemplo, a diretoria renovou o contrato do atacante Gabriel Novaes, artilheiro da Copinha com dez gols, por mais quatro anos. O atual acordo terminaria em novembro. A ação não se deu apenas pelo bom desempenho do centroavante no torneio de base. É que o Barcelona vai contratar o atleta de 19 anos por empréstimo para seu time B. Se tiver interesse posterior em adquiri-lo em definitivo, o time espanhol precisará bancar uma rescisão com os brasileiros.

O meia Antony, que já treinava com o profissional e também foi campeão da Copinha, é outro que tem despertado o interesse de clubes de fora. Em setembro passado, seu acordo com o São Paulo foi renovado até meados de 2023, mesmos casos de Igor Gomes, Helinho e Liziero. O volante Luan, atualmente defendendo a seleção brasileira sub-20, tem vínculo até dezembro de 2022. Tanto Liziero quanto Luan estiveram em campo na final da Copa São Paulo de 2018.

O São Paulo evita, assim, dor de cabeça sofrida recentemente com Éder Militão. O clube deixou para negociar uma extensão de contrato tarde demais, quando o atleta já havia se destacado no profissional. Com ele valorizado, seu estafe endureceu as tratativas, e Militão acabou vendido ao Porto-POR "barato" – por 4 milhões de euros (cerca de R$ 17,7 milhões na época). Atualmente, o Real Madrid-ESP estuda pagar mais de R$ 200 milhões pelo ex-são-paulino.

São Paulo vende, mas mantém fatia sobre promessas

Sem conseguir concorrer com os euros e dólares de fora, o São Paulo vem se notabilizando nos últimos anos por vender atletas que mal tiveram tempo de atuar no profissional, como o próprio Militão, Luiz Araújo e David Neres. Uma maneira de minimizar os danos é mantendo percentual sobre os direitos econômicos desses atletas. Desta forma, numa revenda futura, o clube ao menos recupera o investimento financeiro realizado nas crias da base.

É o caso, por exemplo, do zagueiro Tuta, outro que acaba de ganhar a Copinha. O Eintracht Frankfurt, da Alemanha, estaria disposto a desembolsar 1,8 milhão de euros (R$ 7,6 milhões) por 70% dos direitos econômicos do jogador. O São Paulo ficaria com 30%. Caso o atleta vingue fora do país e seja negociado novamente, serão ainda mais euros pingando na conta tricolor.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.