São Paulo: sem afobação contra o Rosario

Para quem espera um São Paulo totalmente no campo de defesa do Rosario Central desde o primeiro minuto de jogo da partida de quarta-feira, o técnico Cuca responde com palavras como equilíbrio, organização e um ?nada de afoiteza?. Ele tem convicção de que seu time foi derrotado na primeira partida porque, além da expulsão de Fábio Simplício, cometeu apenas um erro durante o jogo. ?Nunca poderíamos perder em uma jogada de contra-ataque?, não se cansa de dizer.Cuca sabe que o São Paulo não pode errar novamente. Se der um gol ao Rosario, terá de fazer três para garantir a classificação sem cobrança de pênaltis. Ele sabe que a vitória por dois gols de diferença será muito mais fácil se o time não sofrer gols.Por isso, vai atacar desde o primeiro minuto, mas também desde o primeiro minuto não se descuidará da defesa. Sem Fábio Simplício, terá Ramalho, pois perdeu a confiança em Adriano. Marquinhos e Danilo recuarão para cobrir as avançadas de Cicinho e Gustavo Nery. E, com esses cuidados tomados, o time buscará Luís Fabiano. Com jogadas pelo lado, com cruzamentos e tabelas pelo meio. A intenção é fazer pelo menos um gol no primeiro tempo.Além de tudo que tem organizado para o jogo, Cuca sonha com algo sobre o que não tem controle. Gostaria que a torcida tivesse o mesmo comportamento que teve a do Rosario na quarta-feira. Quer gritos de incentivo desde o início. Quando chegar ao banco de reservas, beijará o distintivo do São Paulo. É a sua senha para que o time entre em comunhão com a torcida e impeça o Rosario de jogar.Cuca tem a certeza da classificação, mas também sabe que o jogo não vai ser fácil. ?Nenhum time argentino é fácil, em nenhuma ocasião?, diz. Agora, se forem 70.011 contra apenas 11, a classificação ficará mais próxima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.