São Paulo sem medo da altitude para encarar o Millonarios

Técnico Muricy Ramalho e jogadores dizem que jogar em Bogotá não será problema para a equipe

23 de outubro de 2007 | 19h26

O velho fantasma da altitude não será usado como desculpa em caso de derrota são-paulina, nesta quarta, em Bogotá. Para elenco e comissão técnica tricolor, os 2.640 metros não significam um grande problema. "O único lugar que assusta é La Paz. O resto é tudo igual", analisa o técnico Muricy Ramalho.   O zagueiro Alex Silva, que esteve recentemente em Bogotá com a sleção basileira, concorda. "Eu já fui com a Seleção para lá e posso dizer que não há diferença nenhuma em relação à altitude", comentou.   Para o jogador, a única dificuldade pode estar na velocidade da bola, que é maior no ar rarefeito. "Em Bogotá, a bola corre rápido. E como o tempo deve estar chuvoso, pode atrapalhar um pouco mais", explicou o jogador. "Mas estamos focados, sabemos do que precisamos e vamos para lá conseguir o resultado positivo", completou.   Segundo o zagueiro, uma boa postura defensiva será fundamental para conseguir a vaga. "Acho que nossa tática tem que ser a mesma das outras partidas. Não podemos sofrer gols e deixar que nosso ataque faça. Pelo que pude observar da primeira partida, que não joguei, o Millonarios é uma equipe que dá brechas e lá o campo é grande, então temos boas chances de surpreender no contra-ataque", acredita Alex.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa Sul-americanaSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.