São Paulo: simples e ambicioso

O São Paulo leva um futebol simples e sério aos 3.600 metros de altitude de La Paz, onde estréia nesta quinta-feira contra o The Strongest, às 19h15 (horário de Brasília), em sua 10ª participação na Copa Libertadores."Nosso estilo é esse, simples e sério. E a Libertadores também é assim, por isso acredito que teremos sucesso", disse o técnico Émerson Leão, vice-campeão em 2003 e demitido no início da edição de 2004, ambas pelo Santos.Se o sucesso chegar mesmo, Leão alcançará junto à torcida do São Paulo - totalmente obcecada pela Libertadores - patamar semelhante ao de Telê Santana, campeão em 1992 e 93 e vice em 94.Leão sabe da importância que a Libertadores adquiriu para o São Paulo e lida com isso adotando uma tática diferente da de Cuca, o técnico do ano passado. Ele busca tirar toda a pressão que o torneio possa trazer aos jogadores. "Para mim, jogar em La Paz é como jogar em Marília. Não tem diferença", avisou.É lógico que tem. Tanto que para diminuir os efeitos da altitude, o São Paulo chegará a La Paz - desde Santa Cruz de la Sierra - apenas duas horas antes do jogo.O São Paulo só terá um desfalque: Diego Tardelli, com problemas musculares. Mas seu substituto tem história na Libertadores. É Luizão, que a disputa pela quinta vez, em busca de um recorde. Com 23 gols marcados em 32 jogos, é o segundo brasileiro com mais gols na competição, dois atrás de Palhinha, jogador do Cruzeiro nos anos 70."Jogar a Libertadores é um dos motivos pelos quais escolhi o São Paulo, apesar de ter propostas de outros times. É um campeonato em que me adapto bem, porque sou um jogador de muita raça", disse Luizão.Seu companheiro será Grafite, o preferido de Leão. Com um futebol de alta velocidade, o atacante (14 jogos e quatro gols em Libertadores) pode ser um complicador para a defesa do The Strongest. Desde que drible a altitude. "O que atrapalha mais é o jeito de bater na bola. Ela ganha muita velocidade. Eu já joguei na altitude duas vezes e foi só isso que senti. Quanto à velocidade e respiração, não me atrapalhou em nada", contou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.