Divulgação
Divulgação

São Paulo tem parceria de intercâmbio com chineses

Tricolor fará troca envolvendo atletas das categorias de base e funcionários

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2014 | 17h01

SÃO PAULO - O São Paulo não acertou apenas a venda de Aloísio para o Shandong Luneng. Os dois clubes também fecharam um intercâmbio envolvendo atletas das categorias de base do time chinês e funcionários do Tricolor, além da estrutura do centro de treinamento de Cotia. O São Paulo já enviou para a China o técnico Sérgio Baresi para assumir a coordenação das categorias de base do Shandong e comandar a equipe sub-20. Pelo acordo, o clube chinês mandará jovens atletas para treinar em Cotia.

Dirigentes do Shandong visitaram as instalações do São Paulo para conhecer a metodologia de trabalho de formação de atletas na base do clube tricolor. O Shandong possui um centro de treinamento com 990 mil metros quadrados, 30 campos e três prédios de alojamento.

A meta do clube do presidente Liu Yu a médio prazo é usar essa estrutura para formar jogadores em casa e não precisar mais de mão de obra estrangeira no time profissional. A parceria entre São Paulo e Shandong começou em julho do ano passado, quando o time sub-18 do Tricolor, treinado por Baresi, conquistou a Weifang Cup, competição disputada nas instalações do clube chinês.

Liderados pelo Shandong Luneng, investidores chineses compraram no início do ano o CT do Desportivo Brasil, clube da Traffic localizado em Porto Feliz, no interior do Estado. O CT ocupa uma área de mais de 150 mil metros quadrados e possui cinco campos oficiais e dois para treinos específicos, além de um prédio de quatro mil metros quadrados com alojamentos. Durante a Copa, será usado pela seleção de Honduras.

O Corinthians também pretende fechar nos próximos meses uma parceria com um clube chinês. Depois da passagem do atacante Zizao – que ficou no Parque São Jorge quase duas temporadas, disputou apenas cinco partidas e retornou à China neste ano sem marcar um único gol –, o clube pretende lançar uma estratégia mais ampla, que não esteja ligada apenas a ações de marketing. Funcionários do Alvinegro participaram de reuniões na Ásia nos últimos meses e, em abril, uma delegação de chineses é esperada no Brasil. O negócio deve ser fechado antes da Copa do Mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
FutinterChinafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.