São Paulo tem torcida especial no México

O treino do São Paulo no campo de beisebol do Deportivo San Augustín, segunda-feira à tarde, na localidade de San Pedro Garza Garzía, teve expectadores especiais. Alguns brasileiros, que moram perto de Monterrey, fizeram questão de assistir ao time que tenta chegar às semifinais da Taça Libertadores. "Para nós, que estamos tão longe do Brasil, é bom encontrar pessoas que falam Português", afirma Eliane Gregório, que mora há oito anos no país, com o marido e duas filhas. "Sentimos que estamos em casa." Se bem que o treinamento foi apenas mais um pretexto para reunir os compatriotas, que freqüentemente passeiam e fazem festas juntos. "Cerca de 30 famílias moram na região. Procuramos sempre nos ajudar", diz Marina Yamanishi, que veio de São Paulo com o marido e um dos três filhos, há cinco anos. Apesar do alto custo de vida - San Pedro Garza Garzia é uma das cidades mais ricas do México -, os brasileiros não se queixam da distância da terra natal. Além da companhia dos amigos, não lhes falta segurança pública e escolas de boa qualidade, que não encontraram no Brasil. "Pagamos muitos impostos, mas temos o retorno", conta Marina. De fato, os assaltos são muito raros em San Pedro. Seqüestros, não se tem notícia. Tudo isso, apesar do ótimo padrão econômico dos moradores, em sua maioria empresários, banqueiros e executivos, que chegam a pagar US$ 3 mil dólares pelo aluguel de uma casa alto padrão. "Ninguém vem para se aventurar. Só mora aqui quem tem a garantia de uma renda muito boa", comenta Eliane. Alguns desses brasileiros estarão no Estádio Universitário, nesta quarta-feira, torcendo pelo São Paulo contra o Tigres. "Meu filho Flávio é são-paulino e já combinou com os amigos de ir ao jogo", contou Marina. "Eu não vou porque no dia viajo para o Brasil para visitar minha família", lamentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.