Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

São Paulo tenta minimizar trauma em mata-matas

Zagueiro Miranda afirma que a equipe tem a obrigação de dar uma resposta nos próximos jogos

Giuliander Carpes, Agencia Estado

20 de abril de 2009 | 22h43

A derrota para o Corinthians na semifinal do Campeonato Paulista trouxe à tona no São Paulo um fantasma de anos recentes: a eliminação em confrontos mata-mata. Nas últimas nove competições decididas desta forma, o time de Muricy Ramalho foi eliminado. A Libertadores, o torneio mais importante do clube no ano, passa por este tipo de jogos. E a obrigação que os jogadores colocam de vencer aumenta a pressão sobre os ombros são-paulinos.

Veja também:

linkSão Paulo vai dar a vida na Libertadores, promete Muricy

linkSão-paulino admite excesso em declaração sobre Ronaldo

tabela Libertadores - Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Temos obrigação de dar uma resposta", disse o zagueiro Miranda nesta segunda-feira. "A pressão sempre vai existir e temos de ir em busca desse título agora." O jogador lembra dos insucessos nas últimas três edições da Libertadores e a recuperação com conquistas na sequência para mostrar que o time é capaz de dar a volta por cima. "Nossa equipe é madura. Já passamos por isto nos últimos três anos e buscamos títulos do Brasileiro. Agora vamos atrás da Libertadores."

Falar de recuperação é fácil. Difícil é acabar com o jejum de vencer uma competição no mata-mata. Desde a Libertadores de 2005, quando o técnico ainda era Paulo Autuori, o time não tem uma conquista em torneios nestes moldes. Perdeu o Paulista em 2007, 2008 e 2009, a Sul-Americana nas duas temporadas passadas, além de três Libertadores e uma Recopa Sul-Americana (2006).

Para complicar, como o São Paulo colocou o time reserva para enfrentar - e perder por 2 a 1 - o Independiente Medellín na semana passada, provavelmente conquistará o primeiro lugar do grupo, mas não ficará entre as quatro melhores equipes da competição. Ou seja, não terá a vantagem de decidir em casa os confrontos mata-mata a partir das semifinais da Libertadores.

É uma dificuldade que Renato Silva não acha tão importante assim. "A gente tinha vantagem contra o Corinthians e eles venceram os dois jogos. Se o time estiver bem vai conseguir se classificar para as fases seguintes mesmo que tenha que decidir em jogos fora de casa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.