Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

São Paulo tenta não vacilar diante do Bahia para continuar na luta

No Morumbi, clube tenta voltar a vencer para não deixar os rivais Cruzeiro e Inter escaparem na liderança do Campeonato Brasileiro

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2014 | 07h00

À medida que o funil do Campeonato Brasileiro seleciona os reais candidatos ao título, o São Paulo sabe que, restando dez rodadas, não há mais margens para erros se quiser pleitear a conquista nacional. A sete pontos do Cruzeiro, as já remotas chances se tornam praticamente nulas em caso de um vacilo diante do Bahia neste sábado, às 18h30, no Morumbi.

É fato dentro do próprio grupo que ponto desperdiçado – especialmente nos jogos em casa –implodirá definitivamente qualquer possibilidade. Dois fatores, no entanto, animam o elenco: a forma como o time se comportou na vitória sobre o Huachipato na Sul-Americana e os recentes vacilos do Cruzeiro, que vem de duas derrotas consecutivas e só não foi mais ameaçado porque os concorrentes também tropeçaram.

"Todos os times que estão lá perto se animam. (O Cruzeiro) é o que melhor se preparou e tem um time há dois anos, mas é claro que todos se animam um pouco. Ouvimos histórias deles que faz a gente achar que eles são favoritos mesmo", disse o treinador.


O problema é que até aqui o Morumbi não tem sido necessariamente garantia de desequilíbrio. Até agora o time se lamenta por tropeços em casa contra equipes menores como Chapecoense e Criciúma, que impediram uma aproximação maior da ponta. Em seus domínios, o Tricolor somou 24 pontos, um a menos do que como visitante.

Some-se a isso o desgaste causado pela longa viagem até Concepción e pelo fato de ter jogado com um a menos por mais de uma hora após a expulsão de Denilson. E aí está sacramentada a equação que mostra que nem mesmo o fato de enfrentar um adversário que flerta com o rebaixamento necessariamente tornará a partida fácil.

"Os times precisam mudar demais por causa das lesões e suspensões, é muito difícil repetir uma formação mais de uma vez. Por isso às vezes o que é considerado mais fraco pode surpreender, são todos profissionais", ponderou o técnico.

Mas nem tudo é motivo para lamentar. Depois de sofrer com desfalques em diversos jogos, Muricy Ramalho tem seis retornos para montar a equipe, entre eles os titulares Rafael Toloi (volta de lesão), Souza e Kaká (estavam com a seleção). 

As baixas ficam por conta de Alexandre Pato e Paulo Miranda, ambos com problemas musculares. Para o lugar do atacante, Muricy pode tanto escalar Luis Fabiano como lançar Michel Bastos – se optar pelo segundo, Kaká será adiantado para atuar com Kardec. Já a lateral pode ser ocupada por Auro ou por Hudson, que vem sendo improvisado nos últimos jogos e tem agradado.

"Ainda estamos olhando com carinho todos os jogadores, especialmente depois desse jogo complicado. Vamos esperar os exames mostrarem o cansaço. O Michel está jogando muito, mas não só ele. Quem vai bem nós damos atenção, mas temos dúvida na parte física porque alguns jogadores sentiram muito", explicou Muricy.

MUDANÇAS

Eliminado na Sul-Americana, o Bahia foca na recuperação no Brasileiro. Gilson Kleina deve fazer algumas modificações no time, mas preferiu manter o mistério. Uelliton, com o terceiro amarelo, é desfalque certo para o jogo.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO x BAHIA

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Hudson, Rafael Toloi, Edson Silva e Alvaro Pereira; Denilson, Souza, Michel Bastos e Ganso; Kaká e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

BAHIA: Marcelo Lomba; Railan, Lucas Fonseca, Demerson e Guilherme Santos; Fahel, Bruno Paulista, Diego Macedo e Marcos Aurélio; Henrique e Rafinha. Técnico: Gilson Kleina.

Juiz: Marcelo de L. Henrique

Local: Estádio Morumbi 

Horário: 18h30

Na TV: Pay-per-view

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão PauloEC BahiaBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.