São Paulo tenta salvar ?pedra preciosa?

O São Paulo encontrou alternativa para tentar ?salvar? um jogador que considera precioso, de grande futuro, mas que, por enquanto, vem dando muito trabalho por seu temperamento difícil e pelas atitudes de indisciplina. Diego Tardelli, de apenas 18 anos, vai ter de deixar seu apartamento, em Perdizes, para passar a morar no Centro de Treinamento, na Barra Funda. Ficará sob os olhares atentos do técnico Cuca e, se cometer novos erros, será afastado e, possivelmente, até dispensado.Os dirigentes e a comissão técnica se preocupam com o início de carreira do atacante. É habilidoso, tem técnica, velocidade e finaliza bem. Mas fora do campo... "Se ele tivesse na cabeça o talento dos pés, seria ótimo", afirmou Juvenal Juvêncio, diretor de Futebol.Diego viveu, no domingo, um dos piores momentos de sua vida de atleta. Foi substituído, no segundo tempo da final da Copa São Paulo de Juniores, contundido, e, na saída do campo, acabou hostilizado pelos são-paulinos. Ninguém aceitou as duas oportunidades de gol que desperdiçou. "Perder gol é normal, mas não do jeito que foi. Ele chutou a bola com desprezo, má vontade, não pode ser assim, principalmente numa final", comentou um cartola.O jogador reconheceu os erros e garantiu, mais uma vez, que vai se redimir. "Infelizmente não comecei bem o ano. As vaias da torcida são normais, estou acostumado", declarou. "Faz parte do futebol, vou levantar a cabeça e dar a volta por cima."Seu futuro é promissor. Por isso, os dirigentes vão usar todos os artifícios para tentar endireitá-lo. A última pisada de bola, além de ter jogado mal na Copinha, foi ter-se atrasado para se apresentar ao técnico Marcos Vizolli, dos juniores. Alegou que não sabia que teria de integrar o time para a Copa São Paulo e esperava voltar das férias apenas com os profissionais. Só que, após o Campeonato Brasileiro de 2003, assinou um documento no qual se dizia consciente da data do retorno.Marco Aurélio Cunha, superintendente de Futebol, conta que é difícil pôr em sua cabeça a importância de ser um jogador profissional e as responsabilidades da profissão. E sofre para educá-lo. No condomínio em que mora - ou morava -, as pessoas reclamam de seu comportamento. Dizem que liga som em alto volume à noite e que não pagou as últimas mensalidades.O atacante se reapresentou nesta segunda-feira no CT, onde iniciará tratamento para se recuperar de contusão. A partir de fevereiro, ficará à disposição de Cuca e iniciará a temporada como reserva.

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2004 | 19h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.