São Paulo treina grito para o Pacaembu

Só mais três pontos. É isso que o São Paulo precisa nos 4 jogos restantes para garantir o 21º paulista. Neste sábado, na vitória por 3 a 1 sobre o Santo André, a torcida cansou de gritar "é campeão!", mas a simples vitória do Santos sobre a Inter de Limeira acabou com qualquer possibilidade de o caneco ser confirmado no Sábado de Aleluia. "Ainda não somos os campeões, 90% do caminho está traçado. Não podemos comemorar nem achar que o campeonato está decidido", garantiu o goleiro Rogério Ceni, cheio de cautela. "Teremos um jogo complicado contra a Portuguesa, quinta-feira, no Pacaembu, porque eles ainda têm chance de escapar do rebaixamento."Grafite concorda com a opinião do capitão são-paulino. "Só precisamos dar mais um passo. A torcida já está comemorando, mas temos de manter a ética e a conduta. Quem sabe na quinta-feira nós não gritamos ?é campeão? junto com a torcida", disse o atacante. "Acho que esse time tem espírito, alma de campeão. Dentro e fora de campo todos estão unidos e o grupo mantém o nível do São Paulo, independentemente de quem entre."Além de sorrir à toa com o título cada vez mais próximo, Diego Tardelli voltou a brigar pela artilharia do Paulistão com os dois gols que marcou neste sábado à tarde. Com 12, ele continua na perseguição a Finazzi, do América, que chegou aos 14. Os gols vieram em boa hora. No meio da semana, Tardelli havia perdido o status de batedor oficial de pênaltis depois da cobrança desperdiçada na vitória sobre o Guarani. Neste sábado, Rogério Ceni foi o cobrador e fez. "Bati forte porque não tenho muita habilidade como os outros jogadores. Até fiquei assustado porque nem era para a bola subir tanto. Claro que é mais simples que uma falta, mas é sempre válido comemorar, né", afirmou Rogério Ceni, que chegou aos 39 na carreira - 33 de falta e seis de pênalti.O árbitro Philippe Lombard também não foi poupado das críticas. De um lado, Emerson Leão reclamava de falta de Sandro Gaúcho em Renan, no lance que originou o escanteio do gol de empate do Santo André. Depois, foi a vez de Sérgio Soares reclamar da marcação do pênalti de Rafinha em Mineiro.O técnico são-paulino, escaldado, estava contido. Sérgio Soares esbravejava. No meio da discussão, Leão foi irônico: "Acho que ele (Sérgio Soares) foi lá reclamar da falta do atleta dele em cima do Renan."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.