Eddie Keogh/Reuters
Eddie Keogh/Reuters

São Paulo troca Penalty por Under Armour após o Campeonato Paulista

Empresa americana quer entrar no mercado brasileiro e vê Tricolor como a melhor vitrine

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2014 | 19h20

O tiroteio entre São Paulo e Penalty colocaram um fim à parceria entre as empresas. A partir de abril, a Under Armour será a responsável pelos uniformes do Tricolor, que conseguiu antecipar o fim do contrato com a parceira brasileira e será o primeiro clube do país a vestir a marca americana.

São Paulo e Penalty nunca falaram a mesma língua e em diversos momentos entraram em rota de colisão. Dirigentes reclamam de uma série de falhas que passam desde a falta de distribuição das peças até atrasos de pagamento, situação que foi minando a já frágil ligação.


O desastre no lançamento da camisa comemorativa de Rogério Ceni foi a gota d'água para liquidar a relação. O clube ficou indignado com o convite que a empresa disparou para jornalistas convocando para o que seria a "coletiva do adeus" do goleiro, que nunca havia confirmado a aposentadoria. Na última sexta-feira, a coletiva de divulgação da camisa foi marcada pelo constrangimento de ambas as partes.

A Under Armour, por sua vez, cortejava o mercado brasileiro há tempos e via no São Paulo a porta de entrada perfeita para marcar território no País. A empresa, que patrocina o Tottenham, atletas como Michael Phelps (natação) e Georges St-Pierre (MMA), além da modelo Gisele Bündchen, procurava um clube de expressão para iniciar sua atuação com mais força em solo brasileiro.

Os valores e tempo de contrato ainda são mantidos sob sigilo, mas fontes do São Paulo dizem se tratar do maior contrato da história do futebol brasileiro. Pelo acertado entre as partes, a Under Armour passará a vestir o Tricolor após o Campeonato Paulista. O prazo foi pedido para que a empresa desenvolva a linha de produtos para o clube.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSão Paulo FCUnder Armour

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.