Fernando Bizerra / Reuters
Fernando Bizerra / Reuters

São Paulo usa reservas, perde para o Racing e deixa liderança do grupo na Libertadores

Hernán Crespo poupa os titulares por causa da final do Paulistão, leva 1 a 0 e vaga nas oitavas de final é adiada

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 23h27

O São Paulo pagou caro por usar um time reserva contra o Racing nesta terça-feira à noite no Morumbi. Perdeu não só o jogo, por 1 a 0, como a liderança do Grupo E da Libertadores.  Além de uma invencibilidade de 14 partidas. O time tricolor permanece com 8 pontos, contra 11 dos argentinos. Menos mal que a classificação  às oitavas de final está bem encaminhada, pois o Rentistas, embora com dois jogos por fazer, tem apenas três pontos.

Hernán Crespo escalou um time reserva, uma vez que a principal meta do São Paulo no momento é a decisão do Campeonato Paulista contra o Palmeiras.  Mas a proposta da equipe é a já conhecida: alas que apoiam bastante, trocas de bola rápida e vertical quando o espaço aparece e toques com paciência quando era necessário.

Do outro lado, porém, o Racing estava muito bem posicionado em campo, marcando a saída de bola, encurtando espaços e aproveitando os deixados pelo São Paulo para atacar, principalmente pelo lado direito da defesa.  Além disso, contava com a insegurança demonstrada pelos zagueiros brasileiros.

O São Paulo até criou mais chances na primeira etapa. Teve um chute de William por cima e uma conclusão sutil de Igor Gomes após cruzamento da esquerda em que Arias fez grande defesa com o pé.

Mas com o passar do tempo, o Racing foi se sentindo mais à vontade em campo, conseguiu evitar que o São Paulo pressionasse e ganhou confiança. Acabou chegando ao gol, aos 28 minutos, numa falha dupla da defesa tricolor. Primeiro, deu espaço para Lovera cruzar com tranquilidade da esquerda; depois, os zagueiros permitiram que Novillo se antecipasse para desviar de cabeça para o gol.

Em desvantagem, o São Paulo transformou a paciência em afobação e pressa. Com isso, passou a errar demais, facilitando os desarmes dos argentinos. Ainda assim, teve uma chance com Vitor Bueno – bateu no meio do gol e Arias defendeu – e outra em falta cobrada por cima do gol por Igor Gomes.

Mas os erros preponderam e o São Paulo, a rigor, pouco produziu de prático. O Racing teve um volume menor de jogo durante a primeira etapa, mas foi mais eficiente.

O São Paulo voltou sem alterações para o segundo tempo e as dificuldades continuaram. O time tocava muito a bola, mas não conseguia penetrar na área argentina. Aos 5 minutos, o tricolor reclamou de um pênalti de Segovia em Vitor Bueno, mas o juiz entendeu que o lance na área foi normal.

A primeira boa chance do São Paulo na etapa surgiu apenas aos 14 minutos, um chute com perigo de Igor Gomes. Naquela altura, percebendo que o time não evoluía, Crespo já preparava três alterações, que fez em seguida: os experientes Daniel Alves, recuperado de contusão, e Luciano, e Shaylon entraram nos lugares de Orejuela, Vitor Bueno e William, respectivamente.

O São Paulo melhorou, mas o Racing continuava bem armado na defesa, fechado para segurar a vantagem e tentar especular alguma jogada ofensiva quando fosse possível. O time de Crespo se movimentava melhor, mas não conseguia fazer jogadas em velocidade.

Por isso, o treinador argentino fez outra alteração. Trocou Galeano, que já dava sinais de cansaço, pelo veloz João Rojas.

O São Paulo era melhor em campo. No entanto, permanecia com dificuldade para concluir e, quando o fez, aos 34 minutos, Daniel Alves estava impedido e seu gol foi anulado.

O Racing foi competente em segurar a vantagem e volta à Argentina líder do Grupo E.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 X 1 RACING

SÃO PAULO - Tiago Volpi; Diego Costa, Rodrigo Freitas e Bruno Alves; Orejuela (Daniel Alves), Rodrigo Nestor, William (Shaylon), Igor Gomes (Hernanes) e Wellington; Galeano (João Rojas) e Vitor Bueno (Luciano). Técnico: Hernán Crespo.

RACING - Arias; Fabrício Domínguez, Segovia (Sigali), Orban e Novillo; Galván (Mena), Anibal Moreno, Martínez, Rojas (Piatti) e Lovera (Leonel Miranda); Godoy (Copetti). Técnico: Juan Antonio Pizzi.

GOL - Novillo, aos 28 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - Jesus Valenzuela (VEN).

CARTÕES AMARELOS - Fabrício Domínguez, Wellington, Rodrigo Freitas, Copetti

LOCAL - Morumbi, me São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.