Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

São Paulo vai oferecer ônibus às organizadas na saída do clássico

Diretoria tricolor fretará cerca de 60 ônibus para a saída da torcida do Itaquerão na quarta-feira; custo será rateado com o Corinthians

GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2015 | 12h01

A diretoria do São Paulo decidiu disponibilizar cerca de 60 ônibus para realizar o transporte dos torcedores são-paulinos ao fim do clássico contra o Corinthians, nesta quarta-feira, no Itaquerão, na estreia na Copa Libertadores. A decisão foi confirmada pelo presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, nesta terça.

"Não tínhamos alternativa diante da falta de sensibilidade do poder público. Já conversei com dois líderes das torcidas organizadas", disse o presidente. "Essa é a uma coisa nova, pelo menos na minha gestão, e não vai se repetir", afirmou o presidente.

Aidar afirma que os custos da locação dos ônibus serão divididos entre o São Paulo e o Corinthians. "Já conversei com o Andres (Andres Sanchez, ex-presidente do Corinthians) e o Corinthians se mostrou favorável com a divisão dos custos. É uma maneira de mostrar a harmonia entre os clubes".

O presidente disse que ainda não tem os custos da operação e não considerou uma "saia justa" o apoio às organizadas. "Não considero uma saia justa. Temos vários atores que poderia contornar esse situação, como a alteração do horário do Metrô ou mesmo antecipar o início do jogo para 21h30. Não é saia justa e não vai se repetir."

A decisão resolve um impasse sobre o retorno dos torcedores do São Paulo. Sem alternativas de transporte para voltar do clássico por causa do horário do fim da partida, a maior torcida organizada do São Paulo ameaçou fazer a pé o trajeto entre a Zona Leste de São Paulo, local do estádio, e o terminal de ônibus do Tatuapé.

O esquema de segurança definido pela PM prevê que a torcida do São Paulo ficará pelo menos uma hora dentro do estádio após o término da partida, o que significaria, a grosso modo, uma hora da manhã. Isso inviabilizaria o uso do transporte coletivo: as catracas do metrô funcionam até 0h30 e a entrada para os trens da CPTM fechará à meia-noite. "Fizemos isso pela saúde dos torcedores do São Paulo", afirmou Aidar.

O esquema de segurança para o retorno dos são-paulinos foi alinhado na manhã desta terça com a Secretaria de Segurança Pública. No meio da entrevista coletiva, o presidente são-paulino recebeu a ligação do secretário e colocou a ligação no modo "viva voz" na frente dos jornalistas. Na conversa, captada ao vivo, o secretário-adjunto de segurança pública, Mágino Alves Barbosa Filho, concordou com a escolta dos ônibus e ainda se prontificou a resolver a questão da segurança dos próximos clássicos com maior antecedência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.