São Paulo vai pedir proteção especial

O São Paulo teme sofrer represálias no jogo da volta contra o River Plate pelas semifinais da Libertadores, marcado para a semana que vem em Buenos Aires. Depois dos incidentes da noite de ontem (22) no Morumbi - quando ônibus da delegação argentina foram apedrejados e torcedores do River entraram em confronto com a polícia - a diretoria do clube paulista resolveu se precaver e vai pedir proteção especial.É claro que existe a possibilidade de represálias. O ideal seria que pudéssemos chegar ao estádio de helicóptero, direto para o gramado?, exagerou o superintendente de futebol do São Paulo, Marco Aurélio Cunha. ?Nós vamos viajar para a Argentina na noite de terça-feira, para dormir lá apenas uma noite e esperar a hora do jogo. Vamos tentar isolar os jogadores e confiar na polícia local, que tem o dever de nos proteger?, acrescentou o dirigente.Os incidentes foram registrados antes, durante e depois do jogo, em que o time brasileiro venceu por 2 a 0. Um ônibus que tranportava dirigentes e jogadores argentinos foi atingido por pedras e outro objetivos. Várias vidraças foram quebradas. A diretoria do São Paulo foi obrigada a ceder um outro ônibus para que os atletas deixassem o estádio. ?Tenho consciência que há ossibilidades, e muito grandes, de revanche por parte dos argentinos. Nós temos de nos prevenir e estar preparados para qualquer situação?, finalizou o dirigente. Nos confrontos, 14 torcedores argentinos e 11 policiais brasileiros acabaram feridos, entre eles, dois foram hospitalizados com fraturas. O River só conseguirá a vaga se vencer por 3 gols de diferença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.