São Paulo vence Fluminense no Maracanã

O São Paulo conseguiu mais uma boa vitória no Campeonato Brasileiro, novamente fora de casa, graças aos gols do artilheiro Luís Fabiano, que fez dois, e do novato Diego, de apenas 18 anos. O placar de 3 a 1 sobre o Fluminense, no Maracanã, deixa o time de Rojas em excelente situação com 35 pontos ganmhos. Luís Fabiano, que vem se destacando como o grande jogador da equipe, voltou a se isolar na artilharia, com 15 gols. E Diego, que entrou pela segunda vez no segundo tempo - havia estreado na quarta-feira, contra o Coritiba -, teve mais uma boa atuação e marcou o primeiro gol com a camisa tricolor. No Morumbi, ele é chamado de clone de Luís Fabiano, desde a época em que estava no time B, por causa da semelhança física com o colega. O domingo marcou o retorno de Roberto Rojas ao Maracanã como personagem de destaque depois de quase 14 anos. Em setembro de 1989, como goleiro do Chile, diante da seleção brasileira, pelas eliminatórias da Copa de 90, simulou ter sido atingido por um rojão e acabou banido pela Fifa, num dos fatos de maior repercussão do futebol mundial. Ontem, no 7.º jogo consecutivo sem derrota, sua estrela como técnico brilhou mais uma vez e, com isso, faz crescer o prestígio com a diretoria. O treinador manteve a escalação do confronto com o Coritiba, com Rico no ataque e Diego no banco. No início, o São Paulo passava a impressão de que venceria com facilidade. Não teve muito trabalho para abrir o placar. Depois de chute forte de Gustavo Nery e do rebote do goleiro Kléber, Luís Fabiano arrematou no canto direito: 1 a 0. Mas o time se encolheu e o Fluminense, que conta com um elenco bastante modesto, chegou ao empate, antes do intervalo, com o veterano Sorato, por meio de cobrança de pênalti. A equipe carioca, dirigida por Gilson Gênio, técnico dos juniores, voltou um pouco melhor na segunda etapa. O São Paulo apresentava posicionamento defensivo e, por isso, Rico e Luís Fabiano quase não conseguiam aparecer na partida. Rojas trocou Rico por Diego Tardelli - como ele gosta de ser chamado -, que mostrou oportunismo e pôs os paulistas novamente em vantagem. Após confusão na área, o atacante, de costas para o gol, deu uma puxeta e fez 2 a 1. Precisando desesperadamente de um bom resultado, o Fluminense fez grande pressão, principalmente depois da expulsão do lateral-esquerdo Fabiano, do São Paulo. Faltou, porém, competência para conseguir o gol de empate, qualidade que sobrou para seu adversário. Luís Fabiano, batendo pênalti que ele mesmo havia sofrido, garantiu a décima vitória na competição. No fim, Sorato tentou diminuir o placar, mas Rogério Ceni não permitiu. O atacante cobrou pênalti e o goleiro espalmou. O juiz Evandro Rogério Ramon mandou que o lance fosse repetido, pois Rogério se adiantou. O são-paulino, no entanto, defendeu de novo. Na quinta-feira, o São Paulo recebe o Atlético-PR, no Morumbi, e, no fim de semana, enfrenta o Vitória, em Salvador. Ricardinho, machucado, segue fora.

Agencia Estado,

13 de julho de 2003 | 19h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.