São Paulo vence Fluminense por 4 a 3

Foram 45 minutos raros. Os pouco mais de 10 mil torcedores que se arriscaram a ir ao Morumbi hoje assistiram àquele que, certamente, concorre a melhor jogo do Torneio Rio-São Paulo. Depois de um primeiro tempo movimentado, mas sem gols, as duas equipes reservaram para o final um verdadeiro espetáculo. Com muito sofrimento e lances atípicos, o São Paulo venceu por 4 a 3 e chegou a 7 pontos. O próximo adversário é o Botafogo-RJ. Já o Fluminense, com 5, vai enfrentar a Ponte Preta. Mas o que mais chamou a atenção na partida foi o lance que originou o terceiro gol do time das Laranjeiras. O goleiro são-paulino Rogério Ceni caiu em uma armadilha há tempos anunciada. Ao festejar seu gol de falta, o quarto dos paulistas, ele percebeu tarde demais que o adversário já havia dado a saída e não conseguiu voltar a tempo para evitar o gol de Roger. Aliás, o próprio Rogério protagonizou o melhor momento do primeiro tempo, também no final. Depois de algumas boas oportunidades de lado a lado, seguidas de um autêntico desfile de erros nas finalizações, o goleiro do São Paulo foi decisivo. Aos 46 minutos, ele defendeu uma cobrança de pênalti de Roger que, caso aproveitada, poderia ter mudado a história da partida. Pelo início do segundo tempo, a bronca de Nelsinho no vestiário foi severa. Além das duas alterações (Gabriel no lugar de Belletti e Sandro Hiroshi no de Reinaldo), o time voltou disposto e extremamente veloz. Em um minuto e meio, Hiroshi conseguiu desperdiçar duas. Aos 9, após bom toque de bola na entrada da área, França foi derrubado por Régis. O próprio atacante são-paulino se encarregou da cobrança. Com um toque no canto esquerdo de Murilo, ele abriu o marcador. Em desvantagem, os visitantes abandonaram o posicionamento passivo e passaram a tomar a iniciativa. No entanto, pararam nos seguidos erros de finalização de seus atacantes. Bom para o São Paulo. Aos 21, a defesa do Fluminense preocupou-se demais com o deslocamento de França e Kaká na área. Gabriel se utilizou dos espaços, dominou a bola na intermediária, ajeitou e, sem marcação, disparou um belo chute, no canto esquerdo para aumentar a vantagem paulista. Dois minutos depois, em jogada semelhante, Souza roubou a bola pelo lado esquerdo e chutou para fazer o terceiro. O técnico do Fluminense, Oswaldo de Oliveira, resolveu realizar duas modificações em sua equipe. Tirou Caio e Júlio Santos e, em seus lugares, escalou Roni e Fábio Melo. A iniciativa deu resultado. Exatamente dos pés da dupla saiu o gol. Aos 28, Roni fez boa jogada pela direita, cruzou e Fábio Melo, de cabeça, diminuiu. Nesse momento, Nelsinho sacou Souza para pôr o zagueiro Wilson em seu lugar. A mudança lhe valeu sonoros gritos de "burro, burro" vindos das arquibancadas. O susto são-paulino aumentou aos 39. Roni, cobrando falta, fez o segundo do Fluminense. Mas os momentos mais polêmicos ficaram reservados para os últimos minutos. Tudo começou aos 41. O goleiro Rogério Ceni cobrou falta da intermediária e marcou o quarto dos donos das casa. Foi quando aconteceu algo anunciado. Enquanto ainda comemorava, o Fluminense deu a saída de bola, Roger dominou no meio-campo e chutou por cobertura. Émerson, sobre a linha do gol, não conseguiu evitar que a bola entrasse. César, aos 48, por pouco não empatou de cabeça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.