São Paulo vence fora de casa e o Internacional perde chance de liderar

Diante de sua torcida, no Beira-Rio, o time gaúcho foi derrotado por 1 a 0, com gol de Ganso; resultado coloca o São Paulo no G-4

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

21 de agosto de 2014 | 00h05

O São Paulo venceu o Internacional por 1 a 0 no Beira-Rio porque conseguiu reunir belas atuações de Kaká, Ganso e Pato, aplicação tática e uma gana para defender que não havia mostrado nos últimos jogos. Foi cerebral e intenso, tocou de calcanhar, mas deu carrinhos. Com isso, conseguiu a terceira vitória seguida e entrou no tão desejado G-4. E roubou pontos de um rival poderoso, que vinha de cinco vitórias seguidas. "É muito difícil vencer aqui. Foi para encostar de vez na liderança", afirmou Ganso.

O time do São Paulo começou compacto, sempre com dois ou três jogadores perto da bola. Hudson, titular pela primeira vez, e Denilson faziam boa partida na marcação e nos desarmes. Até Ganso e Kaká acompanhavam os laterais. Pato, vaiado a cada toque na bola pelos torcedores do clube em que começou, não se intimidou e tentou os dribles. Conseguiu poucos, mas foi pró-ativo.

Essa dedicação à marcação e a disposição para atacar foram fundamentais para anular a pressão dos meias gaúchos. Também acabaram sendo importantes para que o time paulista não ficasse encurralado em sua área. Com alguns contra-ataques, o São Paulo diminuiu a fervura do Beira-Rio e a partida se tornou equilibrada.

Os erros são-paulinos começaram a aparecer aos 25. Depois de uma bola perdida no meio, o Inter iniciou uma série de ataques, salvos por uma defesa de Rogério e por cortes atabalhoados dos zagueiros.

Foram essas as únicas jogadas agudas do início da partida. Embora conseguisse o equilíbrio, o São Paulo dificilmente furava o bloqueio. Não é mesmo fácil quebrar a armadura de uma defesa que não sofria gols havia cinco jogos.

Aos 35, a defesa do Inter, quase intransponível, falhou. O erro foi forçado pela marcação agressiva do rival. Paulo Miranda roubou a bola e Kaká esperou o avanço de Álvaro Pereira. Após o chute, Ganso pegou o rebote e marcou seu terceiro gol no Campeonato Brasileiro.

Três aspectos importantes do gol, até então inéditos no jogo: a marcação na saída de bola, a presença de Kaká e Ganso dentro da área, como tanto pedia Muricy Ramalho, e a chegada do lateral no tempo exato.

Foi mais cômodo para os jogadores do Inter reclamar de uma falta de Hudson no início da jogada, lá atrás, do que reconhecer o erro na saída de bola de Ernando e Bertotto.

Obviamente, o gol apertou o botão de urgência dos gaúchos. Como um torniquete, a pressão foi aumentando a cada ataque. Os avanços de Aranguiz, volante travestido de meia que chega constantemente à área, e os passes enjoados de D’Alessandro elevavam, agora sim, a temperatura. A melhor chance foi uma cabeçada fulminante de Wellington Paulista em seu primeiro lance, mas as oportunidades raras autenticam a força da defesa são-paulina. Às vezes sem muito jeito, mas sempre firme. Defesa, meio e ataque foram protagonistas.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 0 x 1 SÃO PAULO

INTERNACIONAL - Dida; Wellington Silva, Ernando, Juan, Fabrício; Ygor (Valdivia), Matheus Bertotto (Wellington Paulista), Aránguiz, Alex (Jorge Henrique), D''Alessandro; Rafael Moura. Técnico: Abel Braga.

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi, Edson Silva e Álvaro Pereira; Denilson, Hudson, Kaká e Paulo Henrique Ganso (Michel Bastos); Alexandre Pato (Ademilson) e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

GOL - Ganso, aos 35 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Hudson e Fabrício.

ÁRBITRO - Grazianni Maciel Rocha (RJ).

RENDA - R$ 982.625,00.

PÚBLICO - 29.267 pagantes (34.262 no total).

LOCAL - Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSão Paulo FCInter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.