São Paulo vence graças aos detalhes

Em um jogo fechado, com muita marcação, o chute de Cicinho, desde muito longe, definiu o resultado. O detalhe é que foi um chute de pé esquerdo do destro lateral. "Falei para o Marcos que tenho sorte contra o Palmeiras. Deus me abençoou com este gol. Para mim, não foi surpresa o gol sair com o pé esquerdo, porque a gente trabalha muito para se aprimorar. Arrisquei, talvez a bola pegasse em alguém. O que vale é que foi gol."Um gol parecido com o que fez contra o Corinthians, dia 8 de maio. Daquela vez, com o pé direito. Com o gol desta quarta-feira, Cicinho alcançou Rogério Ceni como terceiro artilheiro do time na temporada. Chegou a sete gols. Perde apenas para os três atacantes: Diego Tardelli, com 15, Grafite, com 12, e Luizão, com nove."A gente tentou bastante no primeiro tempo, mas o Marcos pegou tudo. No segundo, continuamos tentando e o gol saiu. Sorte que foi comigo", comemorou Cicinho. Foi o 18.º gol pelo São Paulo em 98 jogos. Uma média semelhante à de Danilo, que é meia.O terceiro gol de Cicinho na Libertadores dá a dimensão de sua importância. Uma importância de Cicinho deve ser sacramentada nesta quinta. A diretoria quer aumentar seu salário e prorrogar o contrato até 2008.Para Rogério Ceni, Cicinho definiu o jogo. "Nem o Marcos, que é um dos grandes goleiros do Brasil, poderia esperar aquele chute naquele local. Foi um gol que nos deu a vitória e agora dá mais chances de ficar com a vaga". Para confirmar a classificação, ele recorre a uma velha aliada que nunca lhe faltou. "Vai ser um jogo muito duro no Morumbi, nada está conquistado, mas acho que a nossa torcida vai fazer a diferença."Para Fabão, o São Paulo tem de entrar em campo como se tivesse perdido este jogo. "Nós temos de ter uma atenção enorme na segunda partida. E jogar com muita humildade. Isso é que pode fazer a diferença a nosso favor. Temos de ser humildes e lutar sempre pela vitória". Ele diz que não se atrapalhou com a presença de Renan em lugar de Edcarlos. "Nada disso. Nós treinamos juntos todos os dias. E ele jogou como terceiro zagueiro na partida contra o Quilmes. Hoje, foi muito bom. Só posso reclamar de um paulistinha, mas isso passa."Diego Lugano sempre diz que o que se faz em campo deve ficar no banco, sem maiores repercussões. Se diz isso quando é acusado de algo violento, neste jogo manteve a postura quando era a vítima. Recusou-se a responder a todas perguntas que falavam sobre uma cuspida que recebeu de Alceu. Falou apenas sobre o jogo. "A vitoria foi muito boa, mas acho que a gente poderia ter vencido por uma diferença maior. Poderíamos ter definido a vaga, mas vamos agora para o Morumbi com uma certa vantagem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.