São Paulo vence o Nacional e está nas quartas da Libertadores

Adriano e Dagoberto marcam os gols da vitória; adversário é o Fluminense; primeiro jogo acontece no Morumbi

Alan Rafael Villaverde, estadao.com.br

07 de maio de 2008 | 23h52

 Paulo Pinto/AE Dagoberto comemora o segundo gol da vitória do São Paulo; atacante encerra jejum de seis mesesSÃO PAULO - O torcedor doSão Paulo já sabia que seria sofrido, mas a noite desta quarta-feira foi um verdadeiro teste para os nervos da torcida tricolor. O final, no entanto, foi feliz graças aos gols de Adriano, no primeiro tempo, e Dagoberto, no final do segundo, que garantiu a vitória por 2 a 0 diante do Nacional, do Uruguai, e, conseqüentemente, a vaga às quartas-de-final da Libertadores.Veja também: Classificação Calendário / Resultados  Ouça os gols da vitória do São Paulo - Rádio Eldorado/ESPN - AM 700 Clichês marcam o fracasso rubro-negro Muricy Ramalho destaca comportamento tático do São Paulo Boca Juniors elimina o Cruzeiro da Copa Libertadores Flamengo é desclassificado da Libertadores em pleno MaracanãAgora, o São Paulo enfrenta o Fluminense, que teve mais facilidade para chegar a tal fase da competição, eliminado o Atlético Nacional, da Colômbia. O primeiro confronto será no Morumbi, já que o clube carioca possui melhor campanha.Sem contar com o meia Jorge Wagner, machucado, o São Paulo mostrou a velha deficiência em armar jogadas. As bolas alçadas à área, que eram uma constante, também não existiam. Assim, o jogo ficou truncado, com o Nacional tentando, de forma esporádica, cruzar bolas. Mesmo sem empolgar, mas contando com o apoio do torcedor, o São Paulo contou com a falha geral da defesa uruguaia para abrir o placar, somente aos 37 minutos do primeiro tempo. Eder Luís, apagado, cruzou errado, mas a defesa do Nacional falhou e Adriano, oportunista, tocou na saída do goleiro para marcar mais um gol com a camisa tricolor.NOVO CENÁRIOCom a vantagem, o São Paulo mudou seu comportamento, passando a explorar mais os contra-ataques, uma vez que o time uruguaio - mesmo com um jogador expulso - passou a atacar de forma desorganizada, chegando, às vezes, a assustar o goleiro Rogério Ceni que, ao ver sua equipe com problemas, conversou com o técnico Muricy Ramalho para que algo fosse feito. São Paulo2Rogério Ceni; Éder, Alex Silva     e Miranda e Richarlyson; Zé Luís    , Hernanes, Hugo (Júnior) e Éder Luís (Dagoberto); Borges (Fábio Santos) e AdrianoTécnico: Muricy Ramalho Nacional-URU0Viera; Caballero    , Victorino    , Barone e Romero; Cardaccio (Lingüera), Oscar Morales    , Arismendi e Bertolo; Richard Morales (Vera) e FornaroliTécnico: Gerardo PelussoGols: Adriano, aos 37 minutos do primeiro tempo; Dagoberto, aos 44 minutos do segundo tempoÁrbitro: Héctor Baldassi (ARG)Renda: R$ 643.145,97Público: 42.142 pagantesEstádio: Morumbi, em São PauloSem muitas opções, Muricy promoveu a entrada de Dagoberto e Fábio Santos, dando mais liberdade para Hernanes armar o jogo. A mudança surtiu efeito e o São Paulo passou a dominar o jogo com tranqüilidade, mas o torcedor, apesar do incentivo, não deixava de lado o nervosismo pelo placar delicado, uma vez que um gol do adversário colocaria tudo a perder.RESSURGINDO DAS CINZASCriticado por não render o esperado, Dagoberto mostrou outra atitude dentro de campo. Lembrando o jogador que despontou no Atlético-PR, o atacante partiu para cima dos defensores e criou boas jogadas, mas o gol parecia que não aconteceria.Dagoberto, no entanto, provou que ainda pode dar alegrias ao São Paulo e, aos 44 minutos, o atacante desceu pela direita e chutou forte, cruzado, para marcar o segundo gol, decretando a vaga são-paulina, e acabando com um jejum que durava seis meses. "Estou feliz por este gol. Trabalhei muito por isso, e ele veio num ótimo momento, selando a classificação da equipe", comemorou Dagoberto.FALTA UM CAMISA 10Apesar da classificação, o goleiro Rogério Ceni reafirmou que o São Paulo sente a falta de um meia que arme as jogadas necessárias para o ataque deslanchar. "Falta um camisa 10 para a equipe. Estamos bem, temos um forte marcação, muita vontade e aplicação tática, mas falta aquele jogador que arme as jogadas, que dê ritmo à partida", afirmou o goleiro. A diretoria diz que está à procura de tal atleta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.