São Paulo vira e abre 10 pontos

Não há chuva, trovão, poça d?água ou adversário que pare o São Paulo no Campeonato Paulista. Comandado pelo "Sr. Incrível" Grafite, a equipe bateu o Guarani, de virada, por 2 a 1 no Brinco de Ouro e pode ser campeã no sábado, diante do Santo André, no ABC. Precisaria vencer e torcer por tropeços de Santos (diante da Internacional, na Vila Belmiro) e de Corinthians (contra o União Barbarense, em Santa Bárbara d?Oeste). Futebol e água não combinam, afinal chuteira não é pé de pato e os pés não são nadadeiras. Equilibrar-se num campo alagado com o dilúvio que castigou Campinas era coisa rara hoje. E se em condições normais o São Paulo estava imbatível - 16 jogos sem perder no ano - um fenômeno natural queria estragar os prognósticos de Leão. Nos primeiros 45 minutos, a meta de ampliar vantagem sobre o Santos para 9 pontos (Leão contava com empate do Santos em Santo André) estava indo por água abaixo. E pior, caindo para 5 pontos. No final, a diferença subiu para 10 pontos, graças ao tropeço dos santistas. Mas como todas as metas de Leão nos seus seis meses de clube foram cumpridas, não seria na nesta reta final que o castigo viria. Será? O fantasma até ameaçou assombrar, com gol de Juninho aos 11 minutos da segunda etapa. Era preciso um super-herói para ajudar o time naquele campo encharcado, sem comndições de conduzir a bola. E ele resolveu entrar em ação. O valente Grafite, que diz não ser jogador diferenciado, resolveu o problema em 10 minutos. Aos 15, passou pela poça d?água, pelo lateral e com seus "superpoderes??, ou melhor, precisão no cruzamento, serviu Marco Antônio: 1 a 1. O auto-falante do Brinco de Ouro anuncia o gol da virada do Santo André sobre o Santos por 3 a 2 no momento em que a bola cai nos pés de Grafite. Ele passa ?voando? pelo zagueiro e, com tranqüilidade, marca seu sétimo gol no Paulista, 10.º do ano e do quase título. Tudo ia muito bem até Diego Tardelli desperdiçar um pênalti sofrido por ele mesmo aos 41 e ver sua equipe passar sufoco. Como toda conquista tem de ter um pingo de sofrimento, os minutos finais serviram para valorizar ainda mais a conquista que está por vir. Talvez seja sábado. Ou na quinta-feira, diante da Portuguesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.