Sarney critica atrasos nas obras para Copa de 2014

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), criticou nesta quinta-feira o atraso nas obras relacionadas à Copa do Mundo de 2014 e aproveitou para comentar o desempenho da seleção brasileira. "Não sei como vão as obras (da Copa), mas pelas notícias que temos, não vão bem. Aliás, não vão bem só as obras, a seleção também não vai bem", alfinetou.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

14 de julho de 2011 | 19h40

Na coletiva convocada para o balanço das atividades do semestre, Sarney defendeu, ainda, a intensificação da fiscalização sobre as obras da Copa. O senador sustentou que todos os órgãos de controle e fiscalização existentes, como Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria Geral da União (CGU), devem ser acionados para monitorar a execução dessas obras e a aplicação dos recursos correspondentes, a fim de evitar desvios e irregularidades. "Nós temos organismos de controle que devem ser utilizados ao máximo", defendeu. "(Assim) a faixa que teremos para qualquer dificuldade vai desaparecer", concluiu.

A observação de Sarney foi motivada pela declaração do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Jorge que havia declarado, uma hora antes, que apesar de todos os mecanismos de controle e fiscalização disponíveis, as obras da Copa ainda estão suscetíveis a desvios e irregularidades. "É impossível dizer que não haverá superfaturamento em algumas delas", afirmou o ministro durante o lançamento do Portal de Transparência da Copa de 2014, desenvolvido pelo Senado em parceria com o TCU.

O novo portal pode ser acessado no site www.copatransparente.gov.br , onde o internauta terá acesso a informações sobre rodovias, estádios, aeroportos, portos e demais obras municipais, estaduais e federais relativas ao evento, da licitação até a execução das obras, com cronogramas e relatórios completos.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolJosé SarneyCopa-2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.