Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

SBT atinge recorde de média de audiência com final da Copa América e supera Globo

Emissora paulista alcança 20,9 pontos e lidera em nove praças do País na vitória da Argentina por 1 a 0 sobre o Brasil

Redação, Estadão Conteúdo

12 de julho de 2021 | 19h22

Com a final da Copa América, o SBT alcançou a liderança nas principais praças do País. A vitória por 1 a 0 da Argentina sobre o Brasil na noite do último sábado rendeu à emissora de Silvio Santos recorde de média de audiência e fez o canal superar a Globo na briga pela audiência.

Durante a decisão no Maracanã, o SBT alcançou a liderança em nove praças do País, ao obter 20,9 pontos de média, 34% de share e 24,6 pontos de pico, a maior média de audiência de todo o campeonato. Além de São Paulo, o canal liderou em Brasília, Recife, Manaus, Fortaleza, Goiânia, Belém, Florianópolis, Salvador e no Painel Nacional de Televisão (PNT), que mede a audiência das 15 principais regiões metropolitanas do País.

Os números foram superiores ao da Globo, que, na mesma faixa, ficou com 19,8 pontos de média com a exibição do Jornal Nacional e novela Império. No confronto com a novela, das 21h32 às 22h52, o SBT venceu por 21,8 a 19,8. A Record, terceira colocada, registrou apenas 3,8 pontos de média.

Além disso, a emissora de Silvio Santos registrou a maior audiência em São Paulo nos últimos 20 anos. Considerando apenas os sábados, essa foi a maior marca desde 27 de outubro de 2001, na faixa horária, quando o SBT marcou 22,1 pontos.

No horário da final da Copa América, das 21h às 22h52, o SBT alcançou 2,4 milhões de residências e 3,1 milhões de pessoas na Grande São Paulo.

A Globo superou o SBT somente em três praças das 13 analisadas pelo Kantar Ibope: Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. A Record ficou em terceira em todos os cenários.

No SBT, a derrota da seleção brasileira para a Argentina, que encerrou um jejum de 28 anos sem títulos, teve narração de Téo José, comentários de Mauro Beting e Edmílson e análise de arbitragem de Nadine Basttos. As reportagens foram de André Galvão e Fernanda Arantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.