Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Scaloni nega sentimento de revanche e quer título para coroar trabalho no comando da Argentina

Treinador terá a seleção brasileira pela frente em sua primeira final como treinador

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 23h18

Em sua primeira final como treinador, Lionel Scaloni terá o Brasil pela frente na disputa pelo título da Copa América. À frente da Argentina desde 2018, o treinador comentou que a seleção albiceleste não busca qualquer tipo de revanche contra a seleção brasileira pela eliminação na última edição do torneio — por 2 a 0, no Mineirão —, mas sim a coroação de um projeto iniciado após o Mundial da Rússia

"Encontramos novamente o eterno rival e espero que seja um grande jogo e que todos possam desfrutar dele", disse o técnico. "Estou convencido de que as pessoas estão identificadas com o time e sabem que é um time que dará o seu máximo até o último minuto, que sabe que o futebol tem suas coisas e que tudo pode acontecer, mas que este time dará tudo até o último segundo", completou.

Scaloni afirmou, ainda, que prefere ignorar o fato de que a Argentina pode fazer história neste sábado ao conquistar o primeiro título em 28 anos, punir o Brasil com um novo 'Maracanazo' e acabar com o tabu de que a pentacampeã mundial sempre vence a Copa América quando joga em casa. 

"Isso só cria mais ansiedade. Amanhã é uma final e temos que jogá-la como se fosse em Buenos Aires, Santiago ou Barranquilla. Não temos que pensar que estamos jogando na casa do Brasil, mas sim que estamos jogando em um terreno neutro", opinou. 

O Brasil sediou o torneio continental em 1919, 1922, 1949, 1989 e 2019 e sempre deu a volta olímpica. Há dois anos, após eliminar a Argentina, derrotou o Peru por 3 a 1, também no Maracanã.

Com os olhos voltados para Lionel Messi, o treinador também fez questão de minimizar o impacto negativo da perda do título para o craque argentino. Para o treinador, independentemente de enfim conquistar um título com a seleção principal, depois de ter sido campeão olímpico em 2008, o astro continuará sendo o melhor do mundo. 

"Quer ele ganhe ou não, ele ainda será o melhor da história. Ele não precisa de um título para provar isso. É lógico que queremos ganhar o título, porque fizemos um enorme esforço e passamos 45 dias em uma bolha, mas se 'Leo' ganha ou não é de importância secundária. Ele já demonstrou que é o melhor da história e seus oponentes reconhecem isso", comentou 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.