Scheidt briga pelo 7.º título mundial

O iatista Robert Scheidt quer o sétimo título mundial da classe laser, torneio que este ano só não é mais importante que a Olimpíada de Atenas, em agosto. No ano passado, o brasileiro viu a conquista escapar por apenas um ponto - o português Gustavo Lima ganhou o título. A chance do heptacampeonato volta para as mãos de Scheidt no Mundial de Bodrum, na Turquia, de amanhã a quarta-feira. Scheidt considera o Mundial uma competição ainda mais difícil que a Olimpíada, mas frisa que os Jogos Olímpicos ainda são seu foco principal na temporada. "É o momento para ganhar confiança. Os três primeiros colocados chegarão bem confiantes em Atenas. Mas é um campeonato difícil, com 160 barcos, divididos em duas flotilhas de 80, disputado por sete dias ininterruptos, um desafio técnico e físico. Se quero ganhar? Quero. Mas Mundial tem todo ano e Olimpíada uma vez a cada quatro." O iatista brasileiro inicia a competição como líder do ranking da Federação Internacional de Vela (Isaf), dono de 106 títulos na carreira e invicto em 2004 com seis vitórias em seis competições. Mas terá rivais como o português Gustavo Lima, o campeão de 2003, o australiano Michael Blackburn e o inglês Paul Goodison, respectivamente segundo e terceiro colocados do ranking. O Mundial de Bodrum terá 14 regatas, duas por dia, com início às 6 horas de Brasília. A fase classificatória, com oito provas, será de amanhã a domingo. Os mais bem classificados nessa fase formarão a flotilha de ouro, dos barcos que decidem o título entre segunda e quarta-feira. Scheidt ainda competirá na Semana de Kiel (ALE), antes de voltar ao Brasil. Ainda pretende fazer o último período de treinamento para a Olimpíada, na própria raia de Atenas, considerada um grande desafio pelo atleta, por causa dos ventos fracos e que mudam de direção a todo momento. O "prazer em velejar o barco da classe laser" é, segundo Scheidt, sua motivação constante em busca dos títulos. "As pessoas falam que, apesar dos títulos, não sou reconhecido como o Guga ou o Ronaldinho. Não me importo, não tenho essa frustração, meu ego se satisfaz com velejar, os desafios e as vitórias."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.