Schumacher sonha com o título na Bélgica

Michael Schumacher nunca escondeu sua profunda empatia com o circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica. Mas hoje, diante da grande possibilidade de conquistar seu sétimo título Mundial, domingo, exatamente na pista preferida da maioria dos pilotos, comentou: "Esse circuito tem uma magia toda especial para mim. Vivi lá alguns momentos memoráveis da minha carreira, como meu primeiro GP e minha primeira vitória na Fórmula 1." Depois ganhou outras cinco vezes em Spa. Os treinos livres do GP da Bélgica, 14.ª etapa da temporada, começam sexta-feira. E Schumacher deve contar com enorme torcida para definir já domingo o campeonato. "Gosto de Spa também porque fica próxima de onde nasci, Kerpen, na Alemanha." De Kerpen, onde cresceu, para a região Waloon, a do autódromo, há apenas cerca de 120 quilômetros. "Sempre brinco com isso, digo que corro em casa." O número de alemães que atravessa a fronteira é enorme. As arquibancadas e encostas dos morros, também área destinada à torcida, ficarão vermelhas, a cor da Ferrari, equipe de Schumacher. "Espero tirar proveito desse apoio dos torcedores. Estou determinado a conseguir um bom resultado e dar a todos um bom motivo para comemorar." Com 120 pontos diante de 82 de Rubens Barrichello, seu companheiro, tudo o que Schumacher precisa para garantir, domingo, o título é ampliar essa diferença entre ambos de 38 para 40 pontos, ou seja, somar dois pontos a mais que Rubinho. Schumacher não falou nada a respeito da preocupação geral na Fórmula 1 sobre os riscos de se correr nos ultravelozes 6.963 metros do traçado de Spa, tendo em conta a escalada de velocidade na competição. A última pole em Spa, em 2002, já que ano passado a prova não foi realizada, ficou com o próprio Schumacher, 1min43s726, à média de 241,6 km/h. A expectativa é de que sábado, mesmo diante da obrigatoriedade de classificar com combustível no tanque, os tempos caiam entre 4 e 5 segundos. Bernoldi - A equipe BAR anunciou, hoje, a contratação do brasileiro Enrique Bernoldi para ser o segundo piloto de testes. Bernoldi disputou a Fórmula 1 em 2001 e 2002, pela capenga Arrows. Sua inexperiência e a falta de recursos do time não lhe permitiram obter bons resultados, mas seu conceito de piloto veloz parace não ter sido abalado. Aos 25 anos, bem jovem portanto, Bernoldi tem agora uma grance chance de mostrar, com o rápido modelo 006-Honda, da BAR, um pouco mais da sua capacidade.

Agencia Estado,

25 Agosto 2004 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.