Schummy se diverte ao lado de Ronaldo

Sem Rubens Barrichello , que ficou em São Paulo, o tricampeão da Fórmula-1 Michael Schumacher formou, nesta quarta-feira, uma dobradinha com outro brasileiro ilustre: o atacante Ronaldo, da Inter de Milão. E, ao contrário do que tem acontecido na Ferrarri, onde tem surgido desavenças entre os dois pilotos, o alemão se entrosou perfeitamente com Ronaldo, que voltou a jogar em público quase um ano depois da contusão no joelho direito. Eles dividiram uma dupla de ataque, que pode ser considerada eficiente: marcou seis gols. No final, o time vermelho, no qual jogavam os dois, ganhou por 10 a 9 da equipe azul.A inusitada parceria pôde ser vista na partida beneficente do Criança Esperança, campanha da Rede Globo e do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef), nesta quarta-feira, no Maracanã, que ainda reuniu ex-jogadores, artistas e o piloto Jarno Trulli. Ceca de dez mil pessoas assistiram a partida, com renda revertida para a campanha. Para participar, Schummacher exigiu que Ronaldo jogasse ao seu lado. Demonstrou que tinha razão.Ainda sem as condições físicas ideais, Ronaldo sobrou entre veteranos e peladeiros. Com o auxílio de Zico, protagonista dos lances mais bonitos do jogo, o atacante da Inter consagrou Schumacher. Deu passes, lançamentos e iniciou a jogada do pênalti que resultou no gol do alemão.Schumacher começou arriscando: deu um chute da intermediária que saiu a esquerda do goleiro. Como legítimo ponta-direita, chegou a fazer duas jogadas de linhas de fundo, em uma delas até driblou um zagueiro. Aos 13 minutos, o alemão lançou para Ronaldo fazer o seu segundo gol na partida. No total, foram cinco.Depois, Ronaldo retribuiu, ao tocar para Nenê sofrer o pênalti. A torcida pediu que Schumacher cobrasse. Ele não decepcionou, bateu forte e marcou o gol. Na comemoração, os torcedores provocaram. Gritavam: "Rubinho, Rubinho".Ronaldo seguia sobrando na turma, mas Zico é que marcou o gol mais belo. Encobriu o goleiro adversário com categoria. Ao final do primeiro tempo, 5 a 2 para o time vermelho. Na segunda etapa, Ronaldo e Schumacher continuaram entrosados e jogaram até o final. Mas, sem a presença de Zico, o time azul reagiu graças ao talento de Júnior.Ao final, o alemão se disse honrado por jogar no Maracanã. "Só de assistir de dentro do campo esses jogadores, tão melhores que eu, já me diverti", explicou, sorrindo. Em seguida, convidou Ronaldo para repetir a dose em outro jogo beneficente na Itália, do qual já participou no ano passado. Em troca, o brasileiro elogiou o parceiro. "Ele correu como nas pistas e não derrapou", brincou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.