Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Scolari recusou proposta do Manchester City

Técnico confirma ter se reunido com representantes do time que levou Robinho

Da BBC Brasil, BBC

12 de setembro de 2008 | 16h57

O treinador do Chelsea, Luiz Felipe Scolari, confirmou nesta sexta-feira ter recusado uma proposta do Manchester City quando ainda estava à frente da seleção de Portugal. Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoNeste sábado, o Chelsea de Felipão encara o City, que diante da recusa do brasileiro acabou substituindo o técnico sueco Sven-Goran Eriksson por Mark Hughes. "Sim, eles me ofereceram o cargo. Era uma boa proposta, mas eu estava com Portugal na época e precisava pensar", confirmou o treinador brasileiro. "Eles foram a Portugal e conversaram comigo sobre as idéias que tinham para a equipe para os próximos três ou quatro anos." Felipão acabou sendo anunciado como substituto de Avram Grant no Chelsea quando ainda estava no comando de Portugal, que disputava a Eurocopa 2008. Na época, o dono do City era o ex-premiê tailandês Thaksin Shinawatra, que recentemente vendeu o time para o grupo Abu Dhabi United.ALTO PREÇO Com os milhões trazidos pelos novos donos, o City derrotou o Chelsea de Felipão na briga por Robinho, que foi tirado do Real Madrid por quase R$ 100 milhões. O técnico brasileiro minimizou a perda de Robinho para a equipe do norte da Inglaterra e advertiu que o processo para se tornar um dos maiores times do mundo é demorado. "Ele é mais um jogador para o Manchester City, nada de diferente. Robinho é um jogador que eu mesmo disse ser muito bom", afirmou. "Ele estava no Brasil, foi para o Real Madrid e agora para o Manchester City. É jogador do Manchester City. Acabou." O técnico disse que para transformar o City no melhor time do mundo serão necessários de 10 a 15 anos. "Não basta comprar um ou dois jogadores", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.