Scolari volta a brigar com árbitro

O técnico do Cruzeiro, Luiz Felipe Scolari, garantiu que nunca mais ficará no banco do time que estiver treinando quando o árbitro do jogo for o gaúcho Carlos Eugênio Simon, com quem tem rixa antiga, desde os tempos em que comandava o Grêmio. Scolari foi expulso por Simon na quarta-feira à noite, ainda no primeiro tempo do empate por 1 a 1 com o Atlético-MG, em Ipatinga (MG), pelas semifinais da Copa Sul-Minas. Revoltado, o treinador cruzeirense deixou o gramado chamando o juiz de "safado" e "sem vergonha". Nos vestiários do estádio, no entanto, é que a situação se complicou. Ao passar por Scolari, o árbitro teria se referido ao técnico como "bunda mole", alegando que bastou ele deixar o campo, ainda na etapa inicial, para o Cruzeiro melhorar o rendimento e conseguir a igualdade do marcador, com gol do meia Jorge Wagner. "Dez pessoas ouviram ele falar isso", disse Scolari. "Conheço esse árbitro há muitos anos e ele tem há muito tempo um problema comigo, porque ele acha que eu devo saber alguma coisa dele", completou. "O próximo jogo com o Simon ele vai apitar na China, porque o do Cruzeiro ele não apita". Em resposta, segundo repórteres presentes nos vestiários e o próprio Simon, Scolari teria chamado o árbitro de homossexual. Simon prometeu incluir o desaforo do treinador em sua súmula. O Cruzeiro iniciou à tarde os preparativos para mais um confronto com o Atlético-MG, sábado, só que pelo Campeonato Mineiro. Scolari ainda não poderá contar com o meia Ricardinho, o goleiro Bosco e o zagueiro Cris, que servem à seleção brasileira. O lateral argentino Sorín e o volante colombiano Viveros, também com as seleções de seus países, devem ser outros dois desfalques. No Atlético, líder do Estadual com três pontos à frente do arquirrival, o técnico Abel Braga deve poupar alguns titulares, pensando na decisão da vaga para a final da Sul-Minas, quarta-feira, de novo contra o Cruzeiro. O Alvinegro tem a vantagem do empate para disputar o título contra o vencedor do confronto entre Grêmio e Coritiba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.