Denny Cesare
Denny Cesare

'Se a mulher erra, a cobrança é maior'

Edina é a aposta da Comissão de Arbitragem para ser a brasileira na Copa do Mundo feminina

Entrevista com

Edina Alves Batista

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2017 | 07h00

Aposta da Comissão de Arbitragem para ser a brasileira na Copa do Mundo Feminina, Edina Alves Batista, paranaense de Goioerê, a 530 km de Curitiba, se divide entre carreira e negócios. Trabalha com eventos esportivos e ajuda a administrar a empresa de máquinas industriais da família. Mas diz que sua paixão é o apito.

Há preconceito por ser mulher?

O respeito é muito grande. Melhorou muito de uns anos para cá. Mas quando a gente erra é complicado porque, por ser mulher, a cobrança é maior. Quando o homem erra, é individualizado. Quando é a mulher, são todas que erram.

Você diz que se inspira no Heber Roberto Lopes (juiz do Paraná). Também é disciplinadora?

A gente tem de ter esse estilo. Disciplina acima de tudo. Não pode deixar o jogo descambar.

Qual foi a pior situação por que passou?

Foi no amador, em 2002, bem no começo da carreira. Expulsei um jogador, ele tirou o cartão da minha mão e rasgou. Aí eu tirei outro vermelho que tinha no outro bolso e mostrou de novo. Ele ficou surpreso e acabou saindo.

Qual jogo mais te marcou?

Apitei este ano um jogo da Série D (Aparecidense x União Rondonópolis). Exigiu muito, velocidade, deslocamento, fundamento de área... Teve muito contra-ataque. A rádio de lá me deu nota nove.

Nos estádios mais acanhados, há dificuldade para trocar a roupa, ir ao banheiro? 

Os meninos respeitam muito a gente. Pego uma cadeira, coloco minhas coisas, protetor solar, meus cremes, batom, perfume e me troco. Não há constrangimento.

Maquiagem é item obrigatório?

Discreta, senão chama muita atenção. Mas tem de ter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.