Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Se Corinthians não pagar empréstimo, Caixa pode assumir controle do Itaquerão

Pagamento do financiamento de R$ 400 milhões começa em junho de 2015

02 Abril 2014 | 16h10

SÃO PAULO - Ao assinar contrato com a Caixa Econômica Federal para a liberação de R$ 400 milhões de financiamento de longo prazo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras do Itaquerão, o Corinthians aceitou dar à Caixa o controle dos negócios do estádio caso não pague as suas dívidas com a instituição. O Alvinegro também ofereceu como garantias o terreno da Arena Corinthians e parte da sede do Parque São Jorge.

O contrato de financiamento entre Corinthians, BNDES e Caixa foi feito através do Programa ProCopa Arenas, que apoia projetos de construção e reforma dos estádios que receberão jogos da Copa do Mundo. A Arena Corinthians vai ser palco da abertura do Mundial, entre Brasil e Croácia, no dia 12 de junho.

De acordo com o portal Uol, que teve acesso ao contrato, também está determinado no acordo que a Caixa assume o direito de voto do Corinthians no fundo de administração do estádio em caso de inadimplência. O pagamento do empréstimo de R$ 400 milhões tem previsão para começar a partir de junho de 2015 e tem de ser quitado em 161 meses.

A previsão do Corinthians, no entanto, é zerar a dívida em 144 meses (12 anos), usando receitas de bilheteria do estádio. As garantias dadas pelo Corinthians são muito maiores do que o valor do empréstimo. Conselheiros do clube garantem que só o terreno do Parque São Jorge, por exemplo, vale R$ 1,2 bilhão.

Hoje, a administração do estádio é da Arena Itaquera, fundo montado pela Odebrecht, empresa responsável pela obra. BNDES. O problema é que se o pagamento do financiamento atrasar, é a Caixa quem assume esse papel. O custo final da obra do estádio subiu para R$ 1,150 bilhão (com juros).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.