Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

'Se jogasse no Barcelona de Guardiola, iria até os 50 anos', afirma Zé Roberto

Ex-atleta também afirma que pressão de dirigentes para volta do futebol no Brasil neste momento é 'sacanagem'

Redação, Estadão Conteúdo

16 de maio de 2020 | 23h15

Zé Roberto se aposentou do futebol aos 43 anos de idade, em 2017, mas acredita que, caso tivesse jogado no Barcelona comandado por Pep Guardiola, poderia ter jogado por ainda mais anos. Segundo o ex-volante brasileiro, a diferença se daria por conta do estilo de jogo aplicado pelo time catalão entre 2008 e 2012.

"Eu gostaria de ter trabalhado com o Pep Guardiola. Se eu jogasse no Barcelona que ele montou - que eu joguei contra e tomei um vareio pelo Bayern de Munique em 2009 -, com só dois toques na bola, em vez de jogar até os quarenta e poucos anos, eu iria até os cinquenta, mais ou menos. Eu gostaria também de vê-lo treinando a seleção brasileira", elogiou Zé Roberto durante entrevista ao programa Futebol na Veia, da ESPN Brasil.

Durante a participação no programa, Zé Roberto também comentou sobre a volta do futebol na Alemanha, onde jogou durante boa parte da carreira, por Bayern de Munique, Bayer Leverkusen e Hamburgo, e disse ter estranhado os protocolos para evitar a propagação do novo coronavírus.

"Eu acompanhei Eintracht Frankfurt x Borussia Monchengladbach e na hora do gol, na comemoração, os jogadores tentavam se conter em relação aos toques, abraços, cumprimentos. E não poder fazer isso no futebol é estranho", opinou.

Já sobre a volta do futebol no Brasil, Zé se mostrou contrário neste momento e pediu união entre os jogadores. "Acho que a classe dos atletas tem que estar unida e buscar aquilo que a beneficia. Quando um dirigente vira e fala que os treinamentos vão voltar ou os campeonatos, enquanto estamos vivenciando o aumento de contágio e o aumento do número de mortes, ele só pode estar de sacanagem", avaliou o ex-jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.