Felipe Nyland
Felipe Nyland

'Se ninguém reagir, teremos mudanças drásticas', diz Andrés após derrota do Corinthians

Presidente cobra grupo publicamente e mantém dúvida sobre permanência de Carille

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2019 | 00h34

O presidente Andrés Sanchez prometeu “mudanças drásticas” caso o Corinthians não reaja no Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, o time perdeu por 2 a 1 para o CSA e completou sete jogos em vitória no torneio. O time caiu para a sétima posição, fora da zona de classificação para a Libertadores. O dirigente, no entanto, não esclareceu quais seriam as mudanças. 

O presidente deu declarações dúbias sobre a permanência do técnico Fábio Carille, mas afirmou que ele tem contrato até o final do ano que vem. “Se eu falar que ele (Carille) continua, vão falar que o que a gente fala não vale. Ele tem contrato até o fim do ano que vem. Hoje está ruim todo mundo, jogador que já quer sair de férias tem que falar. Treinador tem culpa, jogador também. Hoje não quisemos jogar, quem já quiser sair de férias pode sair, não tem problema nenhum", cobrou o presidente em entrevista coletiva após a derrota.

Sobre a próxima partida, diante do Flamengo, líder do torneio, o presidente afirma que a vitória é possível desde que o time mude de atitude. “Carille está do jeito que eu estou, decepcionado, p... Lógico que pode vencer o Flamengo, mas jogando essa merda que está jogando não ganha. Temos que jogar mais, não podemos ser apáticos, parece que o time está de férias, e férias é só em dezembro", criticou o presidente.

Andrés Sanchez afirmou ainda que a paciência acabou. “Carille está como todo mundo, decepcionado, ele tem que reagir, bater forte, nestas horas tem que ter mudança drástica, se não reagir tem que ter mudança drástica. Até na diretoria. Não dá para ter paciência, não tem mais paciência. Nós perdermos do Flamengo é normal, ganhar é normal, mas jogando", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.