Wolfgang Rattay/ Reuters
Wolfgang Rattay/ Reuters

Sede da Federação de Futebol da Alemanha e casas de dirigentes são alvos de busca

Ao todo, 200 escritórios foram visitados pelas autoridades, que fazem uma investigação contra evasão fiscal

Redação, Estadão Conteúdo

07 de outubro de 2020 | 10h28

A sede da Federação de Futebol da Alemanha (DFB, na sigla em alemão) e casas de dirigentes ligados à entidade foram alvos de buscas em decorrência de uma investigação contra evasão fiscal, na manhã desta quarta-feira. De acordo com a Procuradoria Pública de Frankfurt, 200 escritórios foram visitados pelas autoridades nos estados da Bavária, Renânia do Norte-Vestfália, Hesse, Baixa Saxônia e Renânia-Palatinado.

"As investigações sobre suspeita de fraude corporativa e evasão fiscal se direcionam particularmente a seis dirigentes e ex-dirigentes da DFB. Eles são acusados deliberadamente de declarar falso rendimento relativo às propagandas realizadas nas partidas disputadas pela seleção alemã em casa, entre 2014 e 2015", explicou Nadja Niesen, uma das procuradoras envolvidas na investigação.

A federação alemã é suspeita de deixar de pagar impostos no valor de 4,7 milhões de euros (cerca de R$ 30 milhões) no período. As autoridades não revelaram nenhum nome entre os investigados. Neste intervalo de tempo, o presidente da DFB era Wolfgang Niersbach, que acabou renunciado ao cargo em novembro de 2015, ao ser envolvido em acusações relacionadas à organização da Copa do Mundo de 2006, disputada na Alemanha.

Niersbach é um dos quatro réus neste caso - outros dois também foram dirigentes do Comitê Organizador da Copa e outro é o ex-secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. Um tribunal suíço já começou a julgar o caso, mas foi paralisado, em abril, devido à pandemia do novo coronavírus.

"A julgar a partir das investigações anteriores, parece que os acusados sabiam sobre as irregularidades no pagamento dos impostos, mas decidiram de forma consciente para dar à DFB uma grande vantagem tributária", ponderou Niesen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.