Segundo a Fifa, audiência da TV na Copa das Confederações cresce

Apesar dos números positivos mundialmente, Brasil apresenta queda de espectadores

Renato Machado - Seleção Universitária, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2013 | 16h35

SÃO PAULO - A Fifa anunciou, em seu site oficial, números que apresentam crescimento na audiência televisiva da Copa das Confederações. A entidade máxima do futebol divide seus parâmetros segundo as rodadas da competição. De acordo com o relatório, a segunda rodada (disputada entre 19 e 20 de junho) teve crescimento no número de espectadores em importantes praças, como Alemanha, Espanha, Japão e Reino Unido.

Mais de 40 milhões de pessoas, somando os dez maiores mercados da televisão mundial, assistiram à vitória do Brasil sobre o México (na quarta-feira, 19). Do total, 26,2 milhões dos espectadores eram brasileiros – divididos entre TV Globo (24,8 milhões) e Bandeirantes (1,4 milhões). Apesar do crescimento mundial, o jogo da seleção foi assistido por menos brasileiros. Na estreia, contra o Japão (no sábado, 15), a audiência bateu os 30 milhões de espectadores somente no Brasil, 3,8 milhões a menos que na segunda partida.

A Fifa divulgou também o crescimento em outros países. No Japão, por exemplo, a estreia com derrota para o Brasil foi assistida por 5,1 milhões de pessoas na Fuji TV. Este número equivale a cinco vezes a audiência média japonesa na fase de grupos da Copa das Confederações de 2009. É bom lembrar que o Japão não estava presente na última edição do torneio. Para a segunda partida, contra a Itália, 8,7 milhões de japoneses sintonizaram a Fuji TV. Isso equivale a um aumento de 70,6% de uma rodada para a outra. Na Itália, os números foram menores, apesar de a partida ter começado à meia-noite (no horário de Roma). Na emissora italiana RAI Uno, 4,8 milhões de pessoas assistiram à vitória suada por 4 a 3.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa das ConfederaçõesFutebolFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.