Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Segundo Lahm, Alemanha 'tirou o pé' contra o Brasil na Copa

Em entrevista a jornal britânico, lateral também afirma que decisão de se aposentar da seleção foi tomada antes de começar o Mundial

O Estado de S. Paulo

12 de outubro de 2014 | 19h07

 Três meses depois da humilhante goleada de 7 a 1 sofrida pela seleção brasileira na semifinal da Copa do Mundo, o capitão da Alemanha, Philipp Lahm, revelou o conteúdo da conversa que o elenco teve no intervalo daquela partida. Segundo o lateral, a maior preocupação do time, que terminou o primeiro tempo goleando por 5 a 0 no Mineirão, era de não menosprezar os anfitriões e a torcida.

"No intervalo, nós conversamos sobre continuar jogando apropriadamente e mostrando respeito. Todo mundo no time tomou aquela atitude no segundo tempo. Nós não queríamos nos exibir ou ridicularizar os adversários. Se acabou com uma vantagem maior, não era tudo o que queríamos. Nosso objetivo era mostrar respeito aos nossos rivais e aos fãs", afirmou Lahm, em entrevista ao jornal britânico Daily Mail

No dia 10 de julho de 2014, três dias depois da vitória alemã sobre o Brasil, o zagueiro Mats Hummels, do Borussia Dortmund, também admitiu o pacto feito pelos jogadores durante o intervalo.


"Ficou bem claro que teríamos de continuar concentrados, jogar de forma séria e procurar não humilhar a Seleção Brasileira. Quando se está em campo, temos de mostrar respeito pelo adversário e foi muito importante que assim tenha sido, sem embarcar em brincadeiras ou algo do gênero. Não queríamos ridicularizar o Brasil", afirmou o zagueiro do Borussia Dortmund no dia 10 de julho de 2014.

Na mesma entrevista ao Daily Mail, Lahm também afirmou que o título mundial não influenciou na sua aposentadoria da seleção alemã. De acordo com o lateral, a decisão foi tomada antes do Mundial realizado no Brasil.

"Eu já sabia. Estava claro para mim, antes do torneio, que essa seria minha última Copa do Mundo. Não foi porque vencemos que decidi me retirar. A decisão veio antes. Eu investi toda minha energia nesse Mundial e eu não queria terminar em uma posição que poderia me fazer mudar de ideia. Eu tinha que dar o meu máximo", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.