Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Paul White/AP
Paul White/AP

Ministro tenta acalmar espanhóis: 'Meu filho vai ao clássico'

Autoridades garantem segurança no jogo entre Real e Barcelona

O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2015 | 10h25

A euforia dos torcedores antes do clássico entre Real Madrid e Barcelona, no Santiago Bernabéu, no próximo sábado, convive com o clima de insegurança na Europa após atentados terroristas em Paris. As autoridades espanholas, por sua vez, tentam tranquilizar a população e promete esforços por um intenso trabalho de segurança.

O ministro do Interior da Espanha, Jorge Fernández Díaz, pediu aos torcedores que não mudem sua programação e compareçam ao Santiago Bernabéu no clássico da 12ª rodada do Campeonato Espanhol. "Meu filho irá ver a partida, isso diz tudo", afirmou Díaz em uma entrevista para a rede de televisão Antena 3, na tentativa de transmitir convicção e evitar as arquibancadas vazias.

Nesta quarta-feira, o confronto foi considerado de "alto risco". De acordo com o jornal espanhol As, o secretário de Estado de Segurança, Francisco Martínez Vázquez, anunciou após uma reunião da Comissão Antiviolência que o jogo entre Real Madrid e Barcelona contará com mil agentes da Polícia Nacional (o dobro do habitual), 1.400 membros da segurança privada e auxílio do Samur-Proteção Civil, dos Bombeiros e da Polícia Militar. 

O secretário de Estado para o Esporte, Miguel Cardenal, também assegurou que o duelo ocorrerá normalmente e aconselhou os torcedores a chegarem com antecedência ao local, visto que os controles de acesso demandarão mais tempo. Além dos detectores de metal, um anel triplo de segurança será implementado nas imediações do Santiago Bernabéu para que nenhuma pessoa sem ingresso possa se aproximar da entrada do estádio no sábado. 

Antes de a bola rolar, as vítimas mortas em Paris serão homenageadas em Madri. A Liga de Futebol Profissional confirmou na quarta-feira que será feito um minuto de silêncio e, em sinal de respeito, também solicitou que os clubes projetem em seus marcadores a hashtag #TodosSomosFrancia.

"O futebol profissional se soma assim às condolências manifestadas internacionalmente e expressa sua solidariedade aos familiares e amigos das vítimas", comunicou a entidade presidida por Javier Tabas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.