Divulgação/AUF
Divulgação/AUF

Segurança da seleção uruguaia é preso por suspeita de assédio sexual na Copa América

Mulher afirma que homem uruguaio pediu beijo e ofereceu dólares no hotel da equipe em Cuiabá; ele nega. Associação de Futebol do Uruguai afirma que demitiu o profissional

Redação, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2021 | 13h36

Um segurança da seleção uruguaia, de 45 anos, foi preso na madrugada desta segunda-feira, dia 21, suspeito de assédio sexual contra uma mulher, contratada como segurança da Conmebol. O caso teria acontecido na concentração da delegação uruguaia, em Cuiabá. A seleção do Uruguai enfrenta o Chile nesta segunda, na Arena Pantanal, pela Copa América.

A Polícia Civil informou que o segurança de nacionalidade uruguaia foi autuado por importunação e assédio sexual. O homem nega a denúncia e foi conduzido à Delegacia Especializada de Defesa da Mulher. A Associação Uruguaia de Futebol afirma que o funcionário foi desligado da delegação "como consequência de ter sido denunciado por um suposto comportamento repudiável e inaceitável".

O ato teria ocorrido entre a noite de ontem e a madrugada de hoje, com registro imediato pela funcionária do hotel. A vítima disse aos policiais que estava no 2º andar do hotel quando o suspeito a cumprimentou. A funcionária afirma que passou a ser assediada pelo segurança. Ele teria questionado o horário que ela sairia do serviço e o valor que ela ganhava. O segurança teria pedido um beijo e colocado notas em dólares no banco onde ela estava sentada e no jaleco que ela vestia.

Segundo a nota da PM, os seguranças do hotel precisaram intervir quando notaram, pelo sistema de câmeras, que o homem segurava pelo braço a vítima.

A Conmebol afirmou que "se mantém atenta às resoluções" das autoridades e as acatará, que rechaça e condena "energicamente" qualquer tipo de assédio sexual e que "seguirá trabalhando por um futebol livre de discriminação, violência e assédio". A Associação Uruguaia de Futebol prometeu iniciar uma investigação administrativa no retorno da delegação a Montevidéu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.