David Klein/Reuters
David Klein/Reuters

Seis clubes ingleses são contra estádios neutros e se opõem a reinício do futebol

Presidente do Watford declara que há diversas divergências entre os 20 clubes, que na maioria das vezes só pensam em si mesmos

Redação, Estadão Conteúdo

09 de maio de 2020 | 12h46

O presidente do Watford, Scott Duxbury, afirmou que pelo menos seis dos 20 clubes do Campeonato Inglês estão preocupados com o plano de usar estádios neutros para terminar a temporada. Ele entende que o "Projeto Reinício", elaborado pela Premier League, é "injusto".

Duxbury disse que "não há altruísmo na Premier League" e que "há 20 interesses diferentes adquiridos, que às vezes se alinham, mas com menor frequência do que funcionam para proteger puramente cada clube individualmente".

Reunidos no dia 1º deste mês, por videoconferência, os clubes reforçaram o desejo de retomar a competição no início de junho - a ideia é recomeçar a partir do dia 8 - e tentaram acalmar os jogadores em questões de saúde.

No entanto, algumas equipes estão descontentes com algumas medidas sugeridas pela Premier League. O principal ponto de divergência é a possibilidade de as 92 partidas que restam da competição serem jogadas em estádios neutros. Os times de menor expressão e que lutam contra o rebaixamento, como Brighton, Aston Villa e Watford são desfavoráveis a essa ideia.

"Quando pelo menos seis clubes - e eu suspeito que existam mais - estão preocupados sobre a desvantagem clara e os efeitos devastadores de jogar nesta espécie de 'miniliga' distorcida de nove rodadas, acredito que a Premier League tenha o dever de cuidar de lidar com essas preocupações", questionou o presidente do Watford.

A liga inglesa selecionaria de oito a dez estádios, com destaque para o tradicional Wembley, em Londres, para finalizar a temporada. Com tanto em jogo, especialmente do ponto de vista econômico, a Premier League faz o possível para evitar seguir o exemplo da França e da Holanda, que encerraram seus campeonatos prematuramente.

Duxbury considera que o modelo de retomada idealizado pela liga é desigual e favorece os times mais poderosos e que estão em melhores posições na tabela.

"Alguns clubes estão felizes em apoiar o 'Projeto Reinício' porque, indiscutivelmente, para eles há apenas um lado positivo em participar desse formato. Isso significa que o Liverpool pode ganhar o título, outros clubes podem reservar seu lugar nas competições europeias na próxima temporada ou, potencialmente, lutar para ficar em uma posição segura".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.