Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Seleção adia lista de convocados para contar com 'ex-contundidos'

Lista do técnico Tite para amistosos deve ter jogadores que estavam até pouco tempo fora de atividade

Ciro Campos, Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

10 Março 2018 | 17h00

Marcada para às 11h de segunda-feira, na sede da CBF, a convocação para os amistosos diante de Rússia e Alemanha acontece apenas seis dias antes da apresentação dos jogadores, algo incomum desde que Tite assumiu a seleção, no segundo semestre de 2016. A única vez em que lista foi divulgada com menos de uma semana para o grupo se apresentar foi em janeiro do ano passado.

+ Notícias da Copa do Mundo da Rússia

+ Tabela da Copa do Mundo de 2018

Na ocasião, porém, Tite chamou apenas jogadores que atuavam no País para o amistoso com a Colômbia, no Engenhão, em jogo beneficente destinado a ajudar familiares de vítimas do voo da Chapecoense.

Desta vez, o prazo mais enxuto passou por uma necessidade técnica. Com seis jogadores se recuperando de lesão, Tite pediu dez dias a mais – a convocação seria dia 2 de março – na esperança de poder contar com todos eles nos amistosos. Ficou sem Neymar, que acabou passando por cirurgia no pé direito, mas o prazo extra garantiu a certeza da recuperação dos zagueiros Marquinhos e Miranda, do lateral-esquerdo Marcelo e do atacante Gabriel Jesus. Fernandinho, em fase final de recuperação de lesão muscular, também deverá ser chamado.

A escolha de Rússia e Alemanha para os dos últimos amistosos antes da lista de convocados para a Copa do Mundo passou por um desejo de Tite em se livrar de dois pesos. Jogar contra o anfitrião do Mundial em um estádio que será utilizado na Copa é, na visão do técnico, uma forma de antecipar o ambiente que os jogadores terão pela frente em junho. 

Já o duelo com a Alemanha é uma tentativa de afastar a lembrança dos 7 a 1 em 2014. "Se tiver de enfrentar na Copa, não vou ter de responder sobre isso tantas e tantas vezes", disse Tite, em entrevista recente ao Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.