"Seleção bandida" usa carro policial

Parte da seleção bandida de Luís Felipe Scolari chegou na Granja Comary em dois carros da Polícia Rodoviária Federal. O ônibus que conduzia sete jogadores enguiçou próximo a subida da serra de Teresópolis e o grupo teve de pegar carona com a polícia. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, declarou dias atrás que o Brasil precisava mostrar "um futebol bandido" para voltar a se impor e conseguir a classificação para a Copa do Mundo de 2002. Num dos carros, o zagueiro Cris dividiu espaço com Euller, Belletti e Marcos. Achou a experiência estranha. "Foi minha primeira vez. Duro seria se tivesse sido lá atrás, no camburão", revelou. Em seu primeiro dia de atividade com os jogadores, Scolari demonstrou certo embaraço. À tarde, ele desceu do micro-ônibus da CBF em frente à sala de musculação da concentração na Granja Comary e não sabia para onde seguir. "É aqui, aqui mesmo?", indagava. Entrou na sala errada e deu meia volta. Sem conhecer bem o centro de treinamento da CBF e a todo instante pedindo informações a seus auxiliares sobre a chegada dos atletas a Teresópolis, Felipão parecia deslocado, mas em nenhum momento perdeu o bom humor. Na apresentação, mais cedo, no Aeroporto Internacional do Galeão, o treinador vestia terno e gravata. Na Granja Comary, optou pelo uniforme da seleção, calça de malha e agasalho azul. Fez exercícios na bicicleta ergométrica e balbuciou algumas palavras maliciosas ao ver fotógrafos e cinegrafistas atrás da porta de vidro. Chavões - Depois de uma conversa com a assessoria de Imprensa da CBF, passou a repetir a expressão mais utilizada por seus antecessores na seleção, Wanderley Luxemburgo e Emerson Leão, diante de perguntas complicadas. "Não falo sobre hipóteses." Scolari almoçou na Granja Comary na companhia de Ricardo Teixeira, que foi fazer uma visita à equipe. Quanto ao tempo ruim em Teresópolis, o treinador comentou: "Sou de Passo Fundo e vivi muito em Caxias do Sul. Lá era igualzinho: serração, frio, montanha e chuva. Estou em casa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.