Eduardo Nicolau/Estadão
Eduardo Nicolau/Estadão

Brasil estreia contra Suíça com chance de redenção após 7 a 1 em 2014

Somente boa campanha na Rússia será capaz de fazer o time se reerguer de verdade; Suíça é o primeiro adversário

Ciro Campos, Marcio Dolzan, enviados especiais / Rostov, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2018 | 05h00

A seleção brasileira começa a caminhada na Copa da Rússia neste domingo, contra a Suíça, às 15 horas (horário de Brasília), em Rostov, com dois pesos nas costas. Fora a habitual expectativa pelo título e a pressão pelo hexa, a equipe de Tite carrega a missão de concluir a grande operação de resgate do futebol nacional. Os 23 jogadores precisam, ao fim da jornada, entregar à população brasileira uma lembrança melhor para se guardar na memória do que a herdada do último Mundial. O primeiro passo será dado hoje. Se chegar à final, serão sete jogos, um caminho para a redenção.

+ Tite começa a Copa do Mundo como candidato a herói nacional

+ Neymar está pronto para conquistar o título pela seleção brasileira

+ Brasil x Suíça tem confronto de dois sistemas defensivos sólidos

+ Seleção vê 'nova' Suíça fortalecida e prevê duelo complicado na estreia

A Copa é o último capítulo da luta iniciada em 8 de julho de 2014, a fatídica data do 7 a 1 para a Alemanha. Os intermináveis 90 minutos de sofrimento, choque e vergonha precisariam dar lugar a um processo de reação.  “O respeito pela equipe agora é diferente daquele de três ou quatro anos, após a Copa do Mundo. As pessoas nos veem de forma diferente. O Brasil que todos respeitam e admiram está de volta. Uma equipe que joga um bom futebol”, resumiu Neymar em entrevista ao site da Fifa, no ano passado. 

Naquele altura, já sob o comando de Tite, a seleção conseguia unir o útil ao agradável. Obtinha resultados positivos e apresentava bom futebol. Internamente, recuperava a confiança; externamente, o respeito dos adversários. Mas ainda falta o principal.

A busca pela recuperação na Rússia mexeu com a preparação. Em vez de treinos abertos, lotados de jornalistas e patrocinadores, como sempre foi, a seleção agora é um ambiente de mistério. Na Rússia, as atividades são reservadas, realizadas em campo cercado por tapumes do alambrado à parte superior, onde banners impedem até que passageiros do trem que passa nas proximidades consigam ver algo.

 

A concentração só ganhou refresco por uma mudança. A pedido de Tite, os familiares dos jogadores puderam vir à Rússia. Nas horas sem atividade, os encontros com parentes ajudam a amenizar a pressão. “Família é tudo para nós. Eles estão do nosso lado comemorando nos momentos bons, mas principalmente nos difíceis, de derrotas e nas frustrações. Tê-los aqui nos dá uma força maior”, disse Alisson.

A atmosfera positiva, com peso correto entre confinamento e convívio externo, alimenta a busca pela redenção na Copa. O Brasil começa a campanha em Rostov disposto a provar que merece recuperar o respeito no futebol mundial. A seleção passou por um calvário nos anos seguintes à Copa de 2014, com eliminações precoces em duas edições de Copa América, tropeços nas Eliminatórias e o risco de perder a vaga na Rússia. O ponto de virada nesse roteiro veio em 2016.

VIRADA

A CBF dispensou o técnico Dunga e trouxe Tite. Nas mãos dele, o time saiu do sexto lugar nas Eliminatórias para a liderança, fechou com a melhor campanha brasileira na história e foi o primeiro país a se classificar para a competição na russa. 

O Brasil conseguiu amenizar a vergonha pelo maior vexame da história com grandes vitórias de feito simbólico. Em 2016, a seleção voltou ao Mineirão, palco do traumático 7 a 1, e venceu com domínio a Argentina por 3 a 0. Neste ano, em março, reencontrou a Alemanha em amistoso e, em pleno estádio Olímpico de Berlim, ganhou por 1 a 0.

A equipe estreia na Rússia como uma das favoritas, com uma geração talentosa, mais experiente e lapidada pela decepção de 2014. Remanescentes como Paulinho, Marcelo, Thiago Silva, Willian, Neymar e Fernandinho estão dispostos a fazer da Copa um marco da redenção do futebol brasileiro. “O futebol é bom porque te dá a oportunidade, muito rapidamente, de reverter o que fez”, comentou Paulinho.

Porém, a reação notável e surpreendente exibida nos dois últimos anos pouco valerá se no Mundial a imagem não for positiva, o futebol não tiver atuações convincentes ou o resultado não estiver à altura da expectativa. Somente uma Copa é capaz de recuperar o desastre de outra. 

O jogo contra a Suíça às 15h (de Brasília) será o primeiro de sete compromissos se o time chegar à final, em busca de consolidar a redenção. Como se a seleção tivesse a chance de fazer uma boa partida para compensar cada um dos gols sofridos diante da Alemanha.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.