SEBASTIAO MOREIRA | AE
SEBASTIAO MOREIRA | AE

Seleção brasileira de futebol prepara volta para o Haiti

CBF tenta viabilizar envio de time de masters para amistoso que marcará fim da missão brasileira no país

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2017 | 07h00

A seleção do Brasil tem boas chances de voltar ao Haiti. Desta vez, com um grupo de veteranos, para marcar o fim da participação brasileira na missão de paz no país caribenho – previsto para 15 de outubro. O amistoso está sendo negociado pelo ministério das Relações Exteriores com a CBF, que deu o sim à iniciativa. Faltam, porém, detalhes como os convites aos jogadores e a organização da viagem.

A intenção é levar ao Haiti atletas que participaram do Jogo da Paz em 18 de agosto de 2004 (ano em que começou a missão brasileira), como Ronaldinho, Ronaldo, Roberto Carlos, Juninho Pernambucano, Roger e Adriano. Alguns continuam em atividade, casos do goleiro Julio Cesar (Benfica) e o atacante Nilmar (Santos). Eles dificilmente poderão ir. O grupo seria completado com ídolos dos haitianos como Cafu e ex-jogadores como o volante Emerson. Técnico do Brasil naquele amistoso em que a seleção fez 6 a 0, Carlos Alberto Parreira já teria sinalizado positivamente sobre sua participação.

A CBF prefere não falar oficialmente sobre a “missão no Haiti’’, pois ainda não está totalmente fechado o “envio de sua tropa’’. Na entidade, convencer os ex-jogadores, que têm agendas diversas dentro e fora do futebol, é tido como “algo complicado’’, assim como a logística.

O Estado apurou que o pedido do ministério foi feito há cerca de 40 dias, e o presidente Marco Polo Del Nero se mostrou disposto a atender. A ideia original de levar a seleção atual foi descartada. Além de o Brasil ter compromissos dias 5 e 10 de outubro pelas Eliminatórias, vários jogadores estão em clubes europeus, que não os liberariam para um amistoso fora da data Fifa. Chegou-se então à alternativa de levar a equipe de 2004, “reforçada’’ por outros ex-jogadores que serviram à seleção brasileira.

Israel x Palestina. Outra ação social que poderá vir a ter envolvimento da CBF é um evento entre israelenses e palestinos, que teria um jogo entre as duas seleções como ponto alto. Isso, porém, não ocorrerá no curto prazo.

Nesse caso, a bola está com a Fifa. Em congresso no mês de maio, no Bahrein, a entidade adiou o reconhecimento da Federação de Futebol da Palestina, mas mostrou interesse em fazer uma ação envolvendo Israel.

A CBF, então, se colocou à disposição da Fifa para “ajudar na construção dessa relação’’. Ainda não há planejamento efetivo de alguma ação.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.