Bruno Domingos/Mowa Press
Bruno Domingos/Mowa Press

Seleção brasileira entra na fase final de testes

Felipão tem oito jogos até o fim deste ano para observar jogadores que pretende convocar em 2014

JAMIL CHADE - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2013 | 08h00

BASILEIA - Faltando apenas oito jogos para a estreia do Brasil na Copa do Mundo de 2014, a seleção de Luiz Felipe Scolari inicia a fase final da preparação. O time chegou na última segunda-feira à Basileia onde enfrenta na quarta-feira a seleção da Suíça no primeiro jogo depois da conquista da Copa das Confederações. De cara, enfrentará a melhor defesa de todas as Eliminatórias para a Copa de 2014: um gol sofrido em seis jogos.

Scolari usará os jogos que faltam para dar maior entrosamento ao grupo e fazer alguns testes com jogadores que possam ser aproveitados como alternativas. A base, porém, ele já tem. O problema é que, até a estreia no Mundial, o time não disputará um só jogo competitivo, algo que preocupa jogadores e comissão técnica.

Se por meses a seleção viveu um clima de tensão, a conquista da Copa das Confederações foi o que Scolari precisava para trabalhar com tranquilidade. Na Europa, a vitória sobre a Espanha na final do torneio mudou a percepção sobre o Brasil. Hoje, todas as oito principais casas de apostas do Velho Continente colocam o Brasil como favorito para vencer o Mundial de 2014. Até Neymar entrou para a lista dos três favoritos a levar a Bola de Ouro da Fifa em 2013.

David Luiz, um dos destaques da Copa das Confederações, aponta para o excelente clima que o grupo vive hoje. "Viemos com o oxigênio puro, de alegria e felicidade. Estamos muito felizes e criando muito mais identidade vencedora. Esse é o melhor ambiente que vivi no futebol", declarou.

Dante, zagueiro do Bayern de Munique, confirma que os alemães voltaram a prestar mais atenção no Brasil após a Copa das Confederações. "Eles estão um pouco mais preocupados com a seleção", disse. "Agora eles sabem que a seleção brasileira tem uma base. Eles têm uma visão diferente. Não tinham perdido o respeito, mas com o título está voltando aquela mentalidade (maior respeito)."

"A fase é maravilhosa", disse Fred, artilheiro da Era Scolari. "Felipão colocou o estilo dele. O grupo entendeu bem. É um espírito diferente. Conquistamos a confiança interna e externa, o que dá moral. Estamos no caminho certo." O atacante, porém, sabe que a seleção precisa evoluir para tentar conquistar o hexacampeonato. "Ainda temos de crescer muito em todos os amistosos para chegar preparados para ganhar a Copa, que vai ser mais difícil", disse.

Scolari sabe que voltou a estar entre os favoritos para conquistar o Mundial. Mas já reconheceu a pessoas próximas que disputar apenas amistosos pode ser um problema, enquanto as demais seleções estão atuando nas Eliminatórias.

Não por acaso, sua estratégia é a de usar esse período para dar confiança aos jogadores e garantir o melhor entrosamento possível. Em sua convocação para o jogo desta semana, deu claras indicações de que já tem sua base para o time. Os oito amistosos que restam servirão apenas para observar alguns poucos jogadores.

Um exemplo seria o lateral-esquerdo Maxwell, do Paris Saint-Germain, a única novidade na convocação de Felipão para o jogo de quarta. Em uma entrevista ao site da Federação Suíça de Futebol, Scolari deu indicações sobre a sequência da preparação. "Não existem portas fechadas", disse ao ser questionado sobre Kaká ou Ronaldinho Gaúcho. "Vou testar jogadores nos próximos jogos de setembro e outubro". Mas deixou claro que as vagas são poucas. "Dois, três ou quatro jogadores para observar e compilar meu time ideal para a Copa. O processo ainda não acabou", disse.

Adversários fracos. Justamente para completar o trabalho, os oito jogos que restam não serão contra seleções de ponta. Amanhã, o time enfrentará a defesa menos vazada das Eliminatórias e uma equipe que, apesar do futebol regular, deve ir para sua terceira Copa seguida. O atacante Fred sabe que sua tarefa não será das mais fáceis. "Eles têm uma boa defesa". Além da Suíça, o Brasil enfrenta a Austrália e Portugal em setembro. Em outubro, serão mais duas datas, possivelmente na Ásia. África do Sul e Coreia podem ser os adversários.Já em novembro as datas reservadas não têm ainda uma definição sobre os adversários. Mas os jogos deverão ocorrer no Brasil para marcar a inauguração de estádios que serão usados na Copa. Em 2014, haverá apenas um amistoso – em março. Em maio, Felipão terá de entregar à Fifa a lista final dos 23 jogadores que irão ao Mundial.

"O importante é aproveitar cada uma dessas oportunidades que nos serão dadas até 2014", afirmou David Luiz, opinião compartilhada por Oscar. Paulinho, agora do Tottenham, adotou o mesmo discurso. "Vamos aproveitar cada chance que tivermos", afirmou.

"A Copa está cada vez mais próxima e vou lutar bastante para confirmar a minha presença", disse Lucas. Ele reconhece que só realizar amistosos pode ser um problema na preparação da seleção. "A vontade vai ter de compensar", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.