Seleção brasileira joga em busca de regularidade e paz

Jogo contra a Colômbia nesta quarta-feira, pode dar força para o técnico Dunga ficar até a Copa 2010

Marcel Rizzo e Bruno Lousada - O Estado de S.Paulo,

15 de outubro de 2008 | 09h55

Uma vitória sobre a Colômbia nesta quarta-feira, a partir das 21h50, no Maracanã, dará paz para Dunga começar 2009 sem o perigo da demissão. Se o Brasil embalar de vez nas Eliminatórias, fica difícil para o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, trocar de treinador antes da Copa do Mundo de 2010. Veja também: Kaká é o mais jovem com os pés na calçada da fama Veja mais imagens de Kaká na Calçada da Fama do MaracanãRobinho é homenageado por drible contra Equador no MaracanãPato vive expectativa de jogar no Maracanã pela seleçãoJoão Havelange elogia atuação da seleção contra Venezuela Eliminatórias Sul-Americanas - Classificação Eliminatórias Sul-Americanas - Calendário/Resultados Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Mas um tropeço nesta quarta-feira fará com que as críticas e desconfianças voltem a rondar a seleção. E provará um problema do time comandado por Dunga: a irregularidade. Na última rodada dupla das Eliminatórias, em setembro, o Brasil venceu o Chile por 3 a 0 em Santiago, mas não saiu do 0 a 0 com a Bolívia no Engenhão. Existe, agora, o temor de que essa história se repita, já que os brasileiros golearam a Venezuela por 4 a 0 no domingo. "A preparação para os jogos foi idêntica. Temos um pouco maior de dificuldade ao atuar em casa por causa da postura dos adversários. Mas não acredito que a Colômbia vá ficar na defesa, eles têm jogadores habilidosos", afirmou Dunga, consciente de que a seleção precisa de uma boa performance em casa. O Brasil não marca gols como mandante há dois jogos. Antes do 0 a 0 contra a Bolívia, houve o 0 a 0 diante da Argentina, junho, em Belo Horizonte. Assim, o último gol brasileiro em casa nas Eliminatórias foi em novembro de 2007, no Morumbi, quando Luís Fabiano marcou dois na vitória de 2 a 1 sobre o Uruguai. A sorte de Dunga é que Kaká e Robinho estarão em campo nesta quarta-feira. Com os dois juntos, o Brasil ainda não perdeu sob o comando do treinador. E, para acabar de vez com a escassez de gols em casa, eles são os artilheiros brasileiros nesse período após a Copa de 2006 - Robinho tem 12 e Kaká já marcou 10. "O Maracanã tem um campo grande, é difícil qualquer time ficar fechado ali 90 minutos. Como foi contra o Equador, no ano passado. A proposta deles era se defender, mas acabaram perdendo de cinco", lembrou o volante Gilberto Silva, ao falar do jogo realizado em outubro do ano passado, também no estádio do Rio. Mas o ataque do Brasil terá um importante desfalque contra a Colômbia: Adriano, que foi titular e marcou um gol na goleada sobre a Venezuela, está suspenso. Dunga ainda não confirmou o substituto, mas é mais provável que Jô ganhe a disputa com Alexandre Pato. No mais, o técnico irá manter o time que jogou no último domingo. FUTURORicardo Teixeira costuma levar muito em conta a opinião pública. E o que os torcedores pensam. Depois do duelo contra a Bolívia, um empate sem gol e muitas vaias para o treinador, havia amadurecido a idéia de uma mudança de comando, mas o presidente da CBF não queria que Dunga saísse em meio a uma crise.  A posição brasileira nas Eliminatórias, porém, faz com que Ricardo Teixeira fique desconfortável para trocar de treinador. O Brasil iniciou o returno em segundo lugar, com 16 pontos, quatro atrás do líder Paraguai. E tem a chance de embalar de vez nesta quarta-feira, diante da Colômbia, para conseguir a sonhada regularidade e dar um pouco de paz para Dunga. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.