Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Seleção brasileira sofre com a falta de gols dos seus centroavantes

Gabriel Jesus e Firmino ainda não marcaram pela equipe de Tite na Copa

Ciro Campos e Marcio Dolzan, enviados especiais / Moscou, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 05h00

A seleção brasileira leva para o terceiro jogo da Copa, nesta quarta-feira, contra a Sérvia, uma preocupação que não imaginaria ter na Rússia. A falta de gol dos dois centroavantes do elenco, Gabriel Jesus e Roberto Firmino, obriga o técnico Tite a pensar em alternativas e desafia a equipe a manter a tradição histórica no torneio de produzir bons artilheiros.

+ Brasil enfrenta a Sérvia para se juntar aos gigantes nas oitavas

+ Após críticas, Neymar busca reação em jogo contra a Sérvia

O papel de camisa 9 sempre foi uma missão nobre no futebol brasileiro. Mesmo que em algumas ocasiões o desempenho tenha sido abaixo da expectativa, em poucas ocasiões algum centroavante passou a participação na Copa em branco, sem marcar gols. Até o criticado Fred em 2014 conseguiu anotar o dele, no terceiro jogo do Mundial, na vitória por 4 a 1 sobre Camarões.

Desde Ronaldo, que atuou nas Copa de 1998, 2002 e 2006, o Brasil testou na função jogadores como Adriano, Luis Fabiano e o próprio Fred. Nenhum deles passou em branco numa Copa e todos honraram a tradição de goleadores como Serginho Chulapa, Careca, Reinaldo e Dinamite. Por isso, na Rússia, as expectativas eram elevadas para a dupla de atacantes.

Jesus e Firmino se destacaram na última temporada do futebol inglês por Manchester City e Liverpool, respectivamente. O primeiro foi campeão, anotou 13 gols e evoluiu sob o comando de Pep Guardiola. O segundo chegou à decisão da Liga dos Campeões e marcou 15 vezes na principal liga do mundo. A esperança na Copa era de que ambos travassem uma disputa benéfica para a seleção.

 

No entanto, até agora eles não conseguiram fazer o papel de artilheiros e viram Philippe Coutinho marcar duas vezes. Gabriel Jesus, mantido como titular, parece sentir a forte marcação e foi substituído por Firmino nos dois jogos da seleção. O mais perto que ambos conseguiram chegar das redes foi no primeiro gol contra a Costa Rica. Os dois atacantes brigaram pela bola e, na sobra, Coutinho concluiu.

O jejum de gols na Copa não preocupa tanto Tite. O treinador disse ter gostado de ver os dois atacantes juntos em campo no segundo tempo contra a Costa Rica. O Brasil criou mais chances e conseguiu chegar ao gol nos acréscimos, em uma atuação chamada por “aula” de futebol pelo técnico depois da vitória por 2 a 0. Em um novo momento, Jesus e Firmino devem novamente atuar juntos na Copa. / COLABOROU ALMIR LEITE

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.