Fernando Torres/CBF
Fernando Torres/CBF

Seleção brasileira sub-23 repete equipe principal e cai diante da Argentina por 1 a 0

Partida entre os rivais foi a decisão de um torneio internacional realizado na cidade de Las Palmas, na Espanha

Redação, Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2019 | 19h58

Na final do Torneio Internacional de Tenerife, na Espanha, a seleção brasileira sub-23 seguiu uma linha muito semelhante à da equipe principal no amistoso contra a Argentina, na última sexta-feira. Se os comandados de Tite perderam por 1 a 0, com gol sofrido no início do jogo, a equipe de André Jardine caiu diante dos argentinos pelo mesmo placar, sob circunstâncias semelhantes, e perdeu o título do evento preparatório para o Pré-Olímpico.

O único gol do tenso jogo disputado na Gran Canaria Arena, em Las Palmas, foi marcado após uma falha na saída de bola brasileira, com Capaldo marcando para o rival e decretando o segundo revés do Brasil sob o comando de Jardine.

O treinador comandou a equipe sub-13 em 11 jogos neste ano, com oito vitórias, um empate e duas derrotas, tendo conquistado em junho o título do Torneio Maurice Revello - antigo Torneio de Toulon. O Pré-Olímpico da Colômbia, que será disputado em janeiro, oferecerá duas vagas no evento de futebol dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em uma partida com muita animosidade entre os jogadores, foi decisiva uma falha do goleiro Phelipe, que entregou a bola nos pés de Zaracho. O argentino avançou com a bola e bateu fraco, mas o goleiro ofereceu o rebote, aproveitado por Capaldo. Eram quatro minutos do primeiro tempo e o Brasil já perdia por 1 a 0.

Tal qual na sexta-feira, quando Messi colocou a Argentina em vantagem no primeiro tempo, em Las Palmas os garotos argentinos se aproveitaram do nervosismo brasileiro. Assim como o time de Tite, a equipe sub-23 do Brasil se mostrou desorganizada e sem força coletiva. Apenas Paulinho, ex-Vasco e hoje no Bayer Leverkusen, da Alemanha, conseguia incomodar a defesa adversária com tentativas individuais.

Na etapa final, o momento de maior tensão ocorreu quando Martinelli, do Arsenal, desentendeu-se com Urzi e a discussão por pouco não descambou para uma briga generalizada. Para além deste momento, o jogo teve apenas algumas jogadas de contra-ataque dos argentinos, mas o placar permaneceu inalterado até o fim da partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.