Seleção com todo requinte no Equador

O futebol da seleção brasileira anda em baixa, meio desacreditado, mas luxo e requinte não faltam à equipe. Assim como aconteceu na Olimpíada de Sydney, disputada na Austrália, no ano passado, a CBF reservou um hotel bastante sofisticado para os jogadores. A diária de um quarto duplo no Hilton Cólon Guayaquil é de quase US$ 300 e o que mais chama a atenção no local é o suntuoso cassino à disposição de hóspedes e convidados. O aparato para servir os hóspedes não é pouco. Os cômodos ocupados pelos jogadores têm até janelas acústicas, que impedem a passagem do som ambiente. Há ainda frigobar, TV a cabo, com mais de 40 opções de canais, e linhas especiais para laptops e acesso à Internet. A piscina térmica do Hilton está reservada para os jogadores da seleção brasileira e o hotel também oferece "serviços especiais" de limousine. Localizado a cinco minutos do Aeroporto Simon Bolivar, o Hilton abriga cinco bares e restaurantes e normalmente abre seus salões para seminários e conferências internacionais. Em Guayaquil a rede hoteleira é muito boa. Existem outros hotéis confortáveis na cidade, de boa qualidade, como, por exemplo, o Continental, cuja diária varia entre US$ 60 e US$ 80. A diferença é que só o Hilton possui um luxuoso cassino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.