Seleção de Togo deixa Angola dois dias após ataque

A seleção de Togo se retirou da Copa Africana de Nações e embarcou de volta ao seus país neste domingo, depois de ser alvo de um emboscada em Angola, na sexta-feira, que deixou três mortos e oito feridos. A equipe deixou Angola após o governo de Togo ordenar o retorno por não ter recebido as garantias de segurança necessárias.

AE, Agencia Estado

10 de janeiro de 2010 | 19h52

"Temos que guardar luto pelos nossos mortos. Voltamos ao nosso país para fazê-lo", afirmou o atacante Emmanuel Adebayor, no momento do embarque. Porém, em um momento inicial, os jogadores da equipe demonstraram interesse em participar do torneio.

O ministro de Esportes de Togo, Christophe Padumhokou Tchao, que viajou para Cabinda com o objetivo de acompanhar a equipe, informou que o governo declarou três duas de luto oficial. "Não podemos estar em luto e ao mesmo tempo estar em um festa do esporte", disse.

A chegada e o embarque da delegação de Togo teve cenas de caos, com dezenas de policiais tentando controlar a imprensa. Dois aviões transportaram os jogadores e funcionários, que tiveram de esperar várias horas antes da decolagem.

O goleiro Kodjovi Dodji Obilale, que foi atingido com um tiro na região lombar, foi levado para África do Sul e quase imediatamente operado em um hospital. Os médicos disseram neste domingo que ainda é muito cedo para discutir a possível evolução da Obilale, que ainda está sob cuidados intensos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.