Ibraheem Al Omari/Reuters
Ibraheem Al Omari/Reuters

Seleção do Catar joga a Copa América e até Eliminatórias na Europa para ganhar experiência

Sem nunca ter disputado um Mundial, equipe busca compromissos internacionais para não fazer feio em 2022

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2020 | 11h00

A seleção do Catar tem rompido as barreiras continentais para adquirir experiência e não fazer feio no Mundial jogado dentro de casa. A equipe vai disputar novamente no papel de convidada a Copa América em 2021 e ainda fechou acordos para integrar um dos grupos das Eliminatórias Europeias para a Copa de 2022 e jogar a Copa Ouro, que reúne países das Américas Central e do Norte. O plano é dar ao time uma rodagem mais de confrontos contra rivais mais fortes.

O Catar nunca jogou uma Copa, mas vive um momento especial. Em 2019 conquistou o título mais importante da história, a Copa da Ásia, e agora a equipe quer demonstrar dentro de campo uma preparação à altura do cuidado e do zelo com os estádios a serem erguidos. O elenco terá um 2021 bastante "nômade". Compromissos pela Europa e na Colômbia estão marcados.

O último acordo selado foi a entrada do Catar como "convidada" em um dos grupos das Eliminatórias Europeias. Mesmo já classificada ao torneio por ser a sede, a seleção vai enfrentar os países em amistosos que não valem pontos. Mesmo na situação de "café com leite", o time vai medir forças contra Portugal, Sérvia, Irlanda, Luxemburgo e Azerbaijão. As partidas serão sempre na Europa, para facilitar a logística.

Em junho os catarianos virão novamente à América do Sul para jogar uma Copa América. Em 2019 a equipe esteve no Brasil para disputar o torneio e em 2021 farão o mesmo. O Catar, inclusive, está no grupo da seleção brasileira ao lado de Venezuela, Peru, Equador e a seleção da casa. Todas as partidas na primeira fase serão disputadas na Colômbia.

A passagem do Catar pelas Américas será prolongada porque em julho a equipe viaja para a América Central e do Norte para a disputa da Copa Ouro. A sede ainda não está definida. O país área vai enfrentar na primeira fase Grenada, Honduras e Panamá, que disputou a Copa da Rússia.

Apesar da experiência em enfrentar rivais de outros continentes, a seleção do Catar só tem jogadores que atuam no próprio país. O elenco passou nos últimos anos por um processo para diminuir a presença de atletas naturalizados, algo que era bem comum antigamente. Dos mais de 30 jogadores convocados ao longo do último ano, somente sete nasceram em outras nações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.