Seleção é assunto do dia no Flamengo

Campeonato Carioca, Copa do Brasil e crise financeira foram temas esquecidos hoje por todos no Flamengo, onde o assunto predominante era a seleção brasileira. Edílson e Juan falaram sobre o fato de não terem sido escalados nem para o banco de reservas, Zagallo afirmou que convocaria os ?melhores? e Gamarra ironizou o momento vivido pelo Brasil. Evitando a polêmica com o técnico Emerson Leão, Edílson e Juan não fizeram reclamações, embora o atacante tenha admitido a surpresa por não ter ficado no banco. ?Fiquei surpreso porque na minha atuação contra o México fiz gol e fui elogiado. Depois, não voltei a jogar?, explicou Edílson, garantindo não ter ficado chateado com a dispensa. Atrasado 40 minutos para o treino, o atacante conversou com o psicólogo do clube, Paulo Ribeiro, e o assessor de imprensa, Nogueira Neto, antes de entrar em campo. Pela primeira vez convocado, o zagueiro Juan foi mais cauteloso: ?O técnico tinha 22 jogadores, foi uma opção dele. Fiquei feliz só de ter sido chamado?, disse. O técnico Zagallo afirmou que vai falar com os dois jogadores sobre o fato de não terem ficado no banco. ?Não tenha dúvidas de que vou conversar com eles para explicar a cada um deles que isso normal?, disse. Ele acrescentou que ficou surpreendido com a não escalação de Edílson, que é ?o artilheiro do Campeonato Carioca.? Ao comentar a atuação de Leão no comando da seleção, Zagallo foi político, mas revelou opinião diferente a do técnico deixar clara as suas posições. ?Eu levaria os melhores?, afirmou. Ressaltou que apoia Leão, que, segundo ele, teve pouco tempo para trabalhar. Mais uma vez, Zagallo disse que não vai encerrar a carreira depois do Carioca. Em situação mais tranqüila dos que os brasileiros ? o Paraguai está em segundo nas eliminatórias do Mundial de 2002 ?, o zagueiro Gamarra fez brincadeiras. ?Vocês têm de tomar cuidado porque senão terão que jogar com uma seleção da Austrália. De repente, enfrentam até Samoa?, ironizou. O zagueiro reconheceu que há clubes italianos interessados em contratá-lo, mas negou ter afirmado que a sua saída do Flamengo era certa, como foi noticiado por jornais paraguaios. ?Tudo depende da conversa com o Flamengo, com que tenho contrato de dois anos?, disse. ?Mas se for uma proposta boa para mim e para o clube, posso aceitar.? Gamarra observou que só vai tratar do seu futuro após o fim do Carioca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.